Jair Bolsonaro já disse, mais de uma vez, que irá se candidatar à presidência, em 2018, assim como disse em 2014, mas não o fez. O fato é que tal pleito não depende, exclusivamente, de sua vontade. É preciso que a sigla a que pertence, o PSC, concorde com a candidatura e a mesma, não o apoiou publicamente, nenhuma vez.

No dia da votação para a presidência da Câmara dos Deputados, até mesmo os deputados de seu partido, o abandonaram, pois Jair só teve 4 votos. O parlamentar pode mudar de partido e se lançar pré-candidato pela sigla que o aceite, assim como já fizeram, Ciro Gomes e Lula, mas para tal mudança, Bolsonaro perderá o seu cargo como deputado federal.

Publicidade
Publicidade

Em um projeto que virou lei e que Jair foi contra, o político que trocar de partido durante a vigência de seu mandato, o perde, automaticamente. Como não deseja ficar sem emprego, o parlamentar tem adiado a decisão, mas existe uma grande chance de sua mudança acontecer em breve.

Apesar do político ter negado, a possibilidade de trocar de partido começou a ser nítida ainda no ano passado, quando o nome da sigla em banners e informativos, foi substituído apenas pelo seu nome e cargo no Congresso Nacional.

Além disso, o site O Antagonista, chegou a publicar uma declaração que seria de #Jair Bolsonaro, em novembro de 2016, dizendo que ele não ficará no PSC, pois não concorda com o mesmo ter se aliado ao PCdoB, durante eleições municipais. Vale ressaltar, que não há nenhum partido 100% de direita no Brasil, e muitos, inclusive, PMDB, PSDB e todas as siglas cristãs, coligam com partidos de ideologias de esquerda.

Publicidade

Aceitação no PTB

Na última semana, o presidente do PTB, Roberto Jefferson, conferiu uma entrevista em que disse que Bolsonaro será muito bem-vindo ao partido, desde que seja para buscar sua reeleição como deputado federal, cargo que exerce há quase 30 anos.

Jefferson deixa claro que em se tratando de eleição presidencial, a preferência é por #Geraldo Alckmin, do PSDB-SP. A tendência é que, ainda que Alckmin não se candidate, a sigla siga o ciclo de outras eleições e apoie quem o PSDB ou PMDB lançar para a vaga, que também pode ser João Doria (prefeito de São Paulo), José Serra (ex-prefeito e ex-governador de São Paulo) e o senador Aécio Neves. A definição só deve ser feita no primeiro semestre do próximo ano.

Roberto também disse que se Bolsonaro quisesse disputar uma eleição presidencial pelo partido, seria necessário que toda a executiva da sigla, fosse convocada para uma reunião com deputados e senadores. Filiados ao PTB salientam que mesmo com uma reunião, a decisão da sigla não mudaria, pois a maioria optaria pelo candidato mais forte da sigla que tem sido sua parceira nos últimos anos.

E você, acha que Bolsonaro deve se candidatar à presidência por qual partido? Ou acha melhor que não se candidate? Deixe a sua opinião com um comentário. #Eleições 2018