Em mais um gesto de que a crise política tende a aumentar a "temperatura" a graus elevadíssimos no Parlamento em Brasília, o senador alagoano #Renan Calheiros (PMDB-AL), demonstrou muito descontentamento com os rumos tomados pelo presidente da República, #Michel Temer, no que diz repeito à distribuição de cargos-chave no governo federal. O senador que até o final do ano passado, foi presidente do Senado Federal e um dos homens que mais detinham poder político no Congresso, ainda mantém grande influência sobre os senadores do Parlamento, principalmente, da região Nordeste do país. Após a eleição do senador Eunício Oliveira, do PMDB do estado do Ceará, para a presidência do Senado, Renan ainda consegue ter um certo tipo de influência.

Publicidade
Publicidade

Papel de Eduardo Cunha

De acordo com Renan Calheiros, que é líder atualmente do PMDB no Senado, o presidente Temer favoreceu aliados do ex-presidente da Câmara Federal, #Eduardo Cunha. O ex-deputado encontra-se preso em Curitiba, nas dependências da Polícia Federal e é acusado de envolvimento pela prática de corrupção na Operação Lava-Jato, que é comandada em primeira instância, pelo juiz Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná.

Renan Calheiros fez sérias acusações contra o ex-deputado Eduardo Cunha e também "atacou" o presidente Temer, ao afirmar que "há um risco de ampliação da ingerência de Eduardo Cunha no dia a dia, sem que o presidente Michel Temer perceba o que está acontecendo", desabafou o senador alagoano.

Publicidade

Renan foi ainda mais longe ao afirmar que "o grupo originário tem como líder e chefe o ex-deputado Cunha, onde as pessoas vão à Curitiba para saber o que ele orienta e isso não pode ficar expondo o governo, já que o PMDB não vai aceitar isso", disse Renan, em entrevista veiculada no Jornal Nacional, da TV Globo. A entrevista dada por Calheiros acabou contradizendo um entrevista anterior dada poucas horas antes pelo presidente Temer a rádio CBN. O presidente da República havia afirmado que "não existe qualquer influência de Eduardo Cunha no governo e que dialoga permanentemente com o senador Renan Calheiros", ponderou. Um dos principais motivos de insatisfação de Renan Calheiros com o governo Temer, são as nomeações de nomes ligados politicamente à Cunha, como o deputado que exerce a liderança do governo Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), o deputado André Moura (PSC-CE), como líder do governo no Congresso e pela nomeação do deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), como ministro da Justiça.