O mistério em torno de quem são as 85 pessoas que fazem parte da lista de pedidos de inquérito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, parece ter chegado ao fim e pelo que tudo indica fazem parte dela cinco ministros do governo Temer, ex-presidentes da República e senadores de diversos partidos. Agora os que têm foro privilegiado estão nas mãos do ministro Edson Fachin, relator da #Lava Jato no Supremo Tribunal Federal - STF, que ficou no lugar de Teori Zavascki (morto em acidente aéreo). Ele é a autoridade com capacidade de decidir se aceita ou não as denúncias para abrir o inquérito. No caso dos ex-presidentes Luíz Inácio Lula da Silva e Dilma Vana Rousseff, e dos ex-ministros Antônio Palloci e Guido Mantega, por não possuírem mais foro privilegiado amparado pelo Supremo Tribunal Federal, não estão sujeitos a Fachin e sim a instâncias inferiores.

Publicidade
Publicidade

Entre os políticos que foram delatados pelos executivos e ex-executivos da Odebrecht, estão os senadores Renan Calheiros, do #PMDB (que até pouco tempo era presidente do senado), e Aécio Neves, do PSDB, além dos senadores Romero Jucá (PMDB), Edson Lobão (PMDB), José Serra (PSDB), Rodrigo Maia, presidente da Câmara de Deputados, e Eunício Nunes, presidente do Senado.

Quanto aos ministros, aparecem na lista, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, das Cidades, Bruno Araújo, da Ciência, Tecnologia e Comunicações, Gilberto Kassab, e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira.

Após a decisão do Supremo Tribunal Federal sobre abrir ou não os inquéritos contra os ministros, todos esperam o pronunciamento do presidente Michel Temer que afirmou, a pouco tempo atrás, que somente iria exonerar um de seus ministros se este passasse de citado a denunciado nas investigações da Lava Jato, pois, no entendimento dele, o fato de alguém ser apenas citado não o transformava ainda em réu.

Publicidade

O que não se pode negar é que essa delação caiu como uma bomba em Brasília e que promete estremecer ainda mais o já tumultuado cenário político brasileiro, que vem sendo instável desde que iniciaram as investigações da operação Lava Jato e com o impeachment da ex-presidente Dilma. #Televisão