O jornalista Claudio Tognolli, do Yahoo Brasil, causou polêmica na última terça-feira (21) ao afirmar que o prefeito de São Paulo, João Doria, será o candidato do PSDB à Presidência da República nas eleições de 2018. Ainda segundo o jornalista, o vice na chapa seria Antônio Carlos Magalhães Neto, o #ACM Neto, prefeito de Salvador. Geraldo Alckmin, que era um dos nomes mais cotados do PSDB, ainda não sabia da decisão da cúpula do partido.

A decisão teria sido tomada pelo partido depois que “O Globo” publicou reportagem sobre a lista que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para abertura de inquérito.

Publicidade
Publicidade

Nela consta o nome de dez governadores, entre eles Geraldo Alckmin.

O governador de São Paulo teria recebido repasse da Odebrecht nas campanhas de 2010 e de 2014. Segundo a reportagem, um dos delatores afirmou que pelo menos um dos pagamentos teve como intermediário Adhemar Ribeiro, cunhado de Alckmin.

Doria presidente

Desde que assumiu a prefeitura da maior cidade do país e começou a trabalhar em um ritmo pouco comum para políticos, João Doria passou a ser bastante elogiado. A “campanha” para ele ser o candidato nas eleições de 2018 – o que interromperia seu trabalho à frente da prefeitura antes da metade do mandato – começou nas redes sociais.

O Movimento Brasil Livre (MBL) foi um dos pioneiros na campanha pró-Doria e no pedido para ACM Neto constar como vice na chapa. Em pesquisa recente, divulgada pelo instituto Paraná Pesquisas, Doria se destacou.

Publicidade

O prefeito de São Paulo foi o mais lembrado quando a pergunta estimulada – com nomes dos candidatos – considerou apenas as repostas daqueles que conhecem, de nome ou por ouvirem falar, João Doria.

Ele seria votado por 22,2% dos eleitores. Alckmin teria 13%, atrás de Aécio Neves (15,1%) e José Serra (13,8%). Estes números e a popularidade do prefeito animam a cúpula tucana, pois é um candidato com real chance de vencer as eleições de 2018.

Por outro lado, Doria pode enfrentar a rejeição que José Serra enfrentou ao deixar a prefeitura de São Paulo no meio do mandato para concorrer ao governo do estado, em 2006. #João Dória #Dória presidente