O juiz federal Sérgio Moro decidiu dar um prazo até o mês de março para que a Polícia Federal (PF) analise o material que foi apreendido e que pode complicar a vida do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O material mostra as relações de #Lula com as inscrições "praia" e "sítio". É um material chave que pode comprovar as suspeitas de que o ex-presidente é mesmo dono do imóvel em São Paulo.

Esse material estava guardado na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. São acervos do ex-presidente que foram descobertos pela força-tarefa da Operação Lava Jato.

Lula afirmou que aquilo são apenas presentes que ganhou enquanto era presidente, mas a Lava Jato desconfiou de duas caixas que continham as seguintes inscrições "praia" e "sítio".

Publicidade
Publicidade

Segundo os investigadores, essas inscrições faziam referência ao triplex do Guarujá e sítio, em Atibaia. As duas propriedades são alvos de investigação contra o ex-presidente.

Acusações

Conforme as acusações, Lula se beneficiou de vantagens ilícitas da Construtora OAS que "bancou' o triplex, em Guarujá. Em relação ao sítio, o petista é acusado de ser o verdadeiro dono. O sítio recebeu várias reformas patrocinadas pela OAS, pela Odebrecht e pelo amigo de Lula, o pecuarista José Carlos Bumlai, que foi preso em novembro do ano passado.

O ex-presidente continua negando ser dono das propriedades. O juiz Sérgio Moro quer rapidez da #PF para poder assim, comprovar todos os fatos que mostram que Lula está mentindo e que recebeu dinheiro irregular das construtoras.

Inelegível

O petista pode ficar inelegível em 2018, se o ritmo dos processos contra ele se mantiverem.

Publicidade

Ao analisar a Lei da Ficha Limpa, caso algum candidato seja condenado por um colegiado, ele estará inelegível e portanto, não poderá concorrer nas eleições.

O advogado do ex-presidente não acredita em sua condenação, pois de acordo com ele, não existem provas para prender Lula.

Além dos dois processos que Lula responde na Justiça Federal do Paraná, existem mais três ações que não estão em Curitiba. #SérgioMoro