Segundo informações do jornal O Globo, o presidente Michel Temer (#PMDB) se reuniu em São Paulo com seus principais assessores nesta sexta-feira, dia 3, para definir estratégias de como se desvincular da crise instaurada após as acusações de seu ex-assessor e amigo pessoal José Yunes de que teria recebido um envelope com propina do doleiro Lúcio Funaro destinada ao presidente da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Segundo revelado por Yunes, Funaro teria ido ao seu escritório, onde lhe entregou um envelope com dinheiro que seria destinado à Eliseu Padilha, responsável por custear despesas de campanha do PMDB. Yunes afirmou não saber do conteúdo do envelope e disse que não conhecia Funaro anteriormente. Em sua defesa, Funaro ameaça processar Yunes por calúnia.

Segundo revelado pelo periódico carioca, a principal estratégia de #Temer é submeter ambos a uma acareação para diminuir os danos e desvincular um possível envolvimento de seu nome com o escândalo. Outra estratégia analisada pelo presidente é a de que Eliseu Padilha se responsabilize por esclarecer as denúncias, livrando Temer de qualquer associação com o escândalo. #Corrupção