O presidente do Brasil, Michel Temer, tenta minimizar os impactos da Operação 'Carne Fraca', da Polícia Federal, no mercado exterior. Para isso, nesse domingo, 19, ele levou diversos representantes de parceiros do país - embaixadores - para um churrasco na capital federal, Brasília.

Comendo a carne, Temer faz o gesto simbolizando que ela não estaria estragada, mas sim própria para o consumo. Com um detalhe, o peemedebista e os colegas do churrasco não comeram carne brasileira, mas sim importada. Apenas a carne de porco e frango do restaurante que Temer levou seus companheiros eram de origem nacional.

A carne de boi consumida no local veio de países como Austrália, Uruguai e Argentina.

Publicidade
Publicidade

Quem bancou o rodízio foi o próprio governo federal. Cada entrada custou R$ 119. O presidente reservou uma mesa para oitenta pessoas. Ou seja, sem as bebidas, a conta chegou a quase R$ 10 mil. Na churrascaria, além das carnes, os embaixadores também puderam comer sushi e saladas.

Para provar que a carne brasileira era boa, Temer fez questão de ser fotografado comendo. Muitos jornalistas foram chamados. O jornal 'O Estado de São Paulo', por exemplo, fez uma reportagem sobre o assunto. Michel comeu ainda queijo coalho e se serviu de caipirinha para acompanhar. O vinho da mesa era de uma adega brasileira. O valor da taça ou da garrafa não foi informado pelo restaurante, localizado em um dos pontos mais nobres da capital.

Michel levou membros importantes do governo para o jantar. O diretor-geral da Polícia Federal, Leando Daiello, também estava no local.

Publicidade

Como mencionamos no início da matéria, foi a própria polícia quem deu início a operação envolvendo dezenas de frigoríficos pelo Brasil. Eles forneciam carnes para diversas empresas, como a Friboi, Seara, Sadia, Perdigão, além de outras marcas. De acordo com Michel, em rápida entrevista dada ao sair do local, não há motivo para ter terror no Brasil e no exterior.

O presidente garante que a carne brasileira passa por rigorosos processos de fiscalização e que quase doze mil servidores participam das etapas, que fazem o alimento até chegar à mesa dos consumidores. #Michel Temer