Trabalhadores se reuniram na Praça da Estação nessa quarta-feira (15), em Juiz de Fora, Minas Gerais, para protestar contra a reforma previdenciária promovida por Michel Temer. O movimento apoia o projeto que está sendo analisado na Câmara dos Deputados, contrário à reforma e com apoio nacional.

Em nota, o sindicato dos Servidores Públicos (Sinserpu), afirmou que o objetivo do movimento é mostrar a força do povo brasileiro contra o texto "perverso" da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287. Este é o texto da #Reforma da Previdência promovida por Temer. Segundo Amarildo Romanazzi, presidente do Sinserpu, "esse texto deve ser rejeitado". Acrescentou que reformas como esta afetam a vida de todo povo brasileiro e por isso deve ser melhor discutida com sindicatos e sociedade.

Diversos sindicatos aderiram ao movimento e participam aposentados, funcionários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), alunos, professores da rede pública e particular. Muitos estudantes abriram mão de um dia de estudo para o vestibular para poder participar do ato. Pessoas de cidades vizinhas viajaram até mesmo algumas horas para se juntar ao movimento na região central de Juiz de Fora. Representantes de vários movimentos falaram no carro de som, aplausos e brados de apoio ecoavam constantemente.

Em frente ao Fórum da Justiça do Trabalho ocorria outra #Manifestação, também contra a reforma da Previdência. Quando os dois grupos se encontraram, lideranças dos dois movimentos falaram ao povo. Conforme o movimento avançava pelas ruas, pedestres, comerciantes e motoristas iam se juntando à passeata. A Polícia Militar (PM) acompanhou todo o protesto e não ouve incidentes. O protesto foi bem organizado e quem participava foi avisado com antecedência sobre as ruas que seriam fechadas. Nos carros de som eram indicado o caminho e o povo seguia ouvindo atentamente.

Atos como este estão ocorrendo por todo o país e se espera uma vitória do povo brasileiro. Sindicatos e a sociedade como um todo querem que o texto seja melhor escrito e discutido, ou simplesmente anulado. #PrevidenciaSocial