Nesta segunda-feira (13), o depoimento de Emílio #Odebrecht, que deveria ter ficado sob sigilo, vazou. A explicação da Justiça Federal de Curitiba foi "falha técnica" na divulgação dos vídeos com os depoimentos de Emílio Odebrecht e do ex-executivo da empreiteira Márcio Faria. A publicação indevida no processo eletrônico foi esclarecida através de nota, que dizia ter havido um equívoco e que os devidos vídeos deveriam ter sido anexados com a anotação de "sigilo nível 2". Embora o erro tenha sido corrigido rapidamente, os depoimentos ficaram em aberto das 13h09 às 13h11, o que foi suficiente para que algumas informações viessem a público.

Modelo reinante desde 1990

Emílio Odebrecht, pai de Marcelo, que nesta ação da Operação Lava Jato é acusado de pagar #Propina ao ex-ministro Antônio Palocci, disse que sempre teve conhecimento do esquema.

Publicidade
Publicidade

Emílio afirmou que desde quando era vice-presidente executivo da empresa e seu pai, Norberto, presidente, já havia a prática de "doações não contabilizadas" a partidos políticos. Segundo o dono do grupo Odebrecht, este era "o modelo reinante no país desde 1990". Ainda no depoimento, Emílio reiterou que estes repasses de verbas das empresas para os partidos ocorreram até por volta de 2015.

Apesar de confirmar o conhecimento sobre o pagamento das propinas, o empresário disse desconhecer o famoso "Setor de Ações Estruturadas", que era o departamento responsável pelas operações ilícitas dentro da sua própria empresa.

Palocci seria o Italiano?

Sobre e ex-ministro Antônio Palocci, Emílio confirmou que se conheciam desde 1998 e "conversavam muito", mas sempre sobre assuntos "importantes para o país".

Publicidade

O empresário disse ainda que nem Palocci, nem o PT, jamais pediram diretamente "vantagens indevidas".

Quanto ao suposto apelido de "Italiano", atribuído a Palocci na chamada "lista da Odebrecht", Emílio ficou em cima do muro: "Existem muitos apelidos na organização... Não sei dizer se era efetivamente o doutor Palocci, mas com certeza ele também era identificado como italiano".

Enfim, Emílio Odebrecht revelou que conhecia o esquema, não conhecia o "Setor", não sabia se o apelido era do ex-ministro e "com certeza também era"... A conclusão é de que, embora atuando na defesa do filho e supostamente bem assessorado por advogados, o empresário ficou um tanto confuso... #Lava Jato