O juiz da 1ª Vara Federal da capital, Friedmann Anderson Wendpap, está ganhando notoriedade na República de Curitiba. Colega de Sérgio Moro, o juiz se mostra implacável no combate a corrupção e já é considerado o "segundo Moro" paranaense.

Nesta última sexta-feira (07), Wendpap decretou o bloqueio de bens do PP (Partido Progressista) envolvendo cerca de onze político filiados. O bloqueio milionário mexe com contas bancárias, imóveis e automóveis, que juntos registram R$ 476,8 milhões. Os investigadores chegaram perto dos partidos políticos que foram os principais a darem benefícios para os diretores da Petrobras, prejudicando os cofres públicos brasileiro.

Publicidade
Publicidade

A ação decretada pelo juiz partiu de elementos das investigações da Operação Lava Jato, comandada pelo juiz federal Sérgio Moro.

Em um vídeo, o juiz Wendpap explica para a Escola de Magistratura do Paraná qual é a sua missão ao se tornar um juiz, ele enfatiza que o principal objetivo é prestar serviços positivos para a população. Conforme o decreto do dia 07, o colega de profissão de Sérgio Moro se mostra como uma pessoa implacável, cooperando com o julgamento de criminosos.

Outra ação de Wendpap que chamou atenção, foi no ano passado. Ele bloqueou recursos da Odebrecht e da OAS, transferindo tudo para o Tesouro Nacional, para ressarcir os cofres públicos. Com os julgamentos e investigações da #Lava Jato, o juiz assume papel importante, que é o de punir ainda mais os partidos políticos, algo que pode acontecer de forma "mais fácil", já que não há a proteção do chamado "foro privilegiado", que "blinda" os políticos de investigações.

Publicidade

Veja a seguir do vídeo do juiz discursando para a Escola de Magistratura do Paraná.

Operação Lava Jato

A operação Lava Jato ganhou notoriedade ao ser comandada pelo juiz federal Sérgio Moro, que ficou conhecido por colocar na cadeia e abrir processos investigativos em grandes nomes da sociedade, incluindo políticos, partidos políticos e empresários.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados, o peemedebista Eduardo Cunha, se encontra preso no Complexo Médico Penal em Pinhais, Paraná. Já o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral e sua mulher, Adriana Ancelmo, foram para o Bangu 8 cumprir pena contra crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Quem também se tornou réu em seis processos, foi o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, no dia 3 de maio será a primeira vez que Lula ficará de frente com Sérgio Moro em um depoimento na República de Curitiba. #SérgioMoro #Prisão