Nesta quinta-feira (20), o presidente da OAS, #Léo Pinheiro, prestou depoimento para o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato. Com duração de mais de três horas, Pinheiro declarou que o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva é o dono do triplex localizado em Guarujá, litoral de São Paulo.

Publicidade

Desde agosto do ano passado, Léo Pinheiro tenha fechar acordo de delação premiada, porém acabou sendo barrado pela Procuradoria Geral da República. Além de Léo Pinheiro, Sérgio Moro também ouviu o ex-ministro de Lula e Dilma Rousseff, Antonio Palocci..

Publicidade

Após os esclarecimentos de Léo para a Justiça, a sua defesa acabou abandonando o cliente, justificando conflito de interesse com outros casos. Os advogados Edward de Carvalho, Jacinto Coutinho e Roberto Telhada saíram do caso de Léo Pinheiro, que agora será controlado exclusivamente por José Luís de Oliveira Lima. As equipes dos advogados esperaram este depoimento para anunciar imediatamente a saída do caso.

O juiz Sérgio Moro também iria ouvir o ex-executivo da OAS, mas o depoimento acabou tendo que ser transferido para o próximo dia 28 de abril (sexta-feira).

Revelações de Léo Pinheiro

O presidente da OAS foi enfático e contou que o triplex é de Lula e é apenas "uma parte", de uma propina avaliada em R$ 3,7 milhões, valor que foi dividido em três contratos da OAS em benefício ao ex-presidente Lula.

O advogado de defesa de Lula, Cristiano Zanin, questionou se a delação premiada foi determinada a partir de negociação com o Ministério Público Federal (MPF). A defesa de Léo, então enfatizou que "conversas ocorrem", mas que nada foi negociado com procuradores da República..

Publicidade

Para tentar "barrar" o depoimento de Léo Pinheiro, a defesa de Lula pediu que tudo fosse cancelado, pois afirmava que haveriam sim, negociações com o Ministério Público Federal. O advogado de Lula justificou dizendo que se ocorrer benefícios, tudo tem que ser feito claramente para que eles saibam como desenvolver o trabalho no interrogatório.

A defesa do ex-presidente também disse que está sendo prejudicada, já que os delatores estariam "mentindo" nos depoimentos, fazendo de tudo para complicar o Lula. Cristiano Zanin ainda avaliou que o interrogando pode mentir ou então permanecer calado, pois isso faz parte do direito constitucional. Em outro lado, o delator teria diferente posição na Justiça.

O juiz federal Sérgio Moro negou o pedido da defesa de Lula #Sergio Moro