Em contrariedade às leis, o deputado federal Jair #bolsonaro (PSC-RJ) tem usufruído da verba que é inerente a todos os deputados, chamada de cota parlamentar e que serve para uso durante o exercício de suas funções, para pagar viagens pelo Brasil, nas quais se apresenta como pré-candidato às próximas eleições presidenciais. A cota parlamentar serve para reembolsar custos de viagens e outras despesas de mandato.

Contudo, as regras internas da Câmara Federal vetam que esse dinheiro sirva para condutas eleitoreiras. Segundo pesquisas, caso as eleições presidenciais fossem hoje, Jair Bolsonaro teria 9% das intenções de voto.

Publicidade
Publicidade

Gastos recorrentes

Em aproximadamente seis meses, Bolsonaro gastou mais de R$ 22 mil com viagens, nas quais divulgou que teria a intenção de concorrer às próximas eleições à presidência da República em 2018. Em novembro de 2016, o deputado gastou R$ 2,5 mil em viagem ao Recife, em Pernambuco, onde foi dar uma palestra para militares.

Na ocasião, foi apresentado como o próximo Presidente do Brasil. Veja o vídeo da chegada de Bolsonaro ao Recife:

.

Logo depois, o político foi à Boa Vista com assessor, gastando mais aproximadamente R$ 10 mil , aduzindo que "não estava em campanha", mas que "seria soldado a serviço do povo".

Mais além, gastou quase R$ 2 mil para ir ao programa "Pânico no Rádio".

Em janeiro deste ano, foram mais R$ 10 mil em viagens custeadas pela "cota parlamentar".

Bolsonaro se defende

Em resposta ao uso irregular da verba, Bolsonaro negou que esteja em pré-campanha e disse ter precisado viajar muito por conta da participação da Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados.

Publicidade

Porém, ele não é titular da comissão, apenas suplente.

Jorge Francisco, chefe de gabinete do político, confirmou a versão, defendendo que as viagens feitas pelo parlamentar são lícitas e realmente necessárias para as atividades por ele exercidas em prol do povo, especialmente por conta dele participar da Comissão relacionada a tema tão importante quanto a segurança pública.

O assessor nega, portanto, que Bolsonaro esteja usando recursos da cota parlamentar para favorecimento pessoal em eventual e futura campanha política destinada à corrida presidencial. Jorge Francisco afirma, em suma, que tais acusações foram feitas para prejudicar mais um político íntegro em meio a tantos escândalos envolvendo corrupção presenciados no País nos últimos tempos.

O assessor ressalta, por fim, a conduta ilibada e pautada na moralidade praticada por Jair Bolsonaro. #JairBolsonaro #BolsonaroPresidente