O inspetor de Segurança de Administração Penitenciária, Wilson Camilo Ribeiro, resolveu denunciar a corrupção que acontece dentro do presídio Bangu 8 e que envolve o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio #cabral. De acordo com o inspetor, Cabral tem a proteção do Secretário de Administração Penitenciária do estado do Rio de Janeiro, o coronel Erir Ribeiro Costa Filho, ex-Comandante-Geral da Polícia Militar. Erir chegou a autorizar a entrada de uma cesta de Natal recheada para a mulher do ex-governador, Adriana Ancelmo. Os outros presos não tiveram esses privilégios e passaram o Natal com apenas uma simples marmita. Todas essas regalias são feitas com o aval do governador do Rio e aliado de Cabral, Luiz Fernando Pezão.

Publicidade
Publicidade

Reuniões às escondidas

Foi denunciado que Cabral reclamou e conseguiu mudar o cardápio de Bangu 8. Foi acrescentado churrasco, lasanha, panquecas e camarão.

Cabral recebe várias visitas e reuniões sigilosas acontecem sempre no Complexo Penitenciário. Nessas reuniões são tratados assuntos sobre reclamações do ex-governador. Cabral é ouvido com muita atenção pelo coronel Erir Ribeiro Costa. Adriana também tinha frequentes audiências na cadeia, antes de ir para a #Prisão domiciliar. Ela conseguiu afastar uma agente penitenciária, apenas pelo fato da agente tratar ela por "detenta". Adriana queria mais respeito e os diretores do presídio atenderam às suas reivindicações.

As câmeras de vigilância do presídio foram alteradas e várias não funcionam, tudo para ajudar o ex-governador.

Publicidade

Intimados por Moro

O casal agora terá pela frente alguém que luta incansavelmente contra a corrupção. O juiz federal Sérgio Moro interrogará Sérgio e Adriana no dia 27 de abril.

Eles respondem por corrupção e lavagem de dinheiro, na Justiça Federal de Curitiba. Será a primeira vez que #Moro interrogará os dois.

Cabral foi preso numa Operação deflagrada da Lava Jato, Operação Calicute. Ele é acusado de ser o chefe de um esquema criminoso que desviou mais de R$ 220 milhões dos cofres públicos. A empreiteira Andrade Gutierrez foi a responsável em pagar a propina ao ex-governador.

Moro já ouviu ex-funcionários da construtora através de acordo de delação premiada.