O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva manteve em um agência do Banco do Brasil uma espécie de ”cofre secreto”. Sem pagar um centavo, ele mantinha lá objetos do tempo em que foi presidente da República. O cofre foi descoberto no ano passado e, para o juiz Sérgio Moro, eles foram erroneamente liberados para o acervo pessoal do ex-presidente.

Por isso, Moro teve uma reação forte neste fim de semana, como mostra uma reportagem do jornal carioca “O Globo”. O relatório da Presidência da República diz que #Lula recebeu os presentes que faziam parte de seu tesouro quando era líder de Estado.

Como viajava muito, era comum receber presentes de outros líderes políticos, que incluem itens como uma coroa, esculturas, três espadas e uma adaga.

Publicidade
Publicidade

Lula aceitava tudo e dizia que recusar algo do tipo poderia ser mal visto.

Sérgio Moro quer agora que pelo menos 21 dos itens recebidos por Lula voltem para o acervo do governo federal e sejam retirados do acervo pessoal. Outro 151 itens, no entanto, vão continuar sobre a posse do viúvo da ex-primeira-dama Marisa Letícia, morta no começo do ano em decorrência de um agravamento de um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

O juiz diz que Lula não poderia ter recebido presentes ou dinheiro por ser uma pessoa pública. Em casos em que não há como recusar a oferta, o presente fica incorporado ao patrimônio público e não ao do político. O jornal “O Globo” detalha alguns das dezenas de itens recebidos pelo petista nos tempos de presidente.

Em oito anos, além da coroa de ouro, o companheiro político de Dilma Rousseff recebeu uma adaga e três espadas.

Publicidade

Lula, aparentemente, não liga para os objetos. Ela já deu um depoimento à Polícia Federal sobre o assunto, quando chamou o seu tesouro, de valor incalculável, de verdadeiras “tralhas”.

Em uma das acusações contra o petista, que é réu na Operação Lava Jato, ele teria recebido ajuda da empreiteira OAS para manter o armazenamento do seu tesouro. Isso explicaria o fato de nenhuma cobrança ter sido feita para os itens terem ficado guardados por tanto tempo.

Chamado de amigo pelos delatores, Lula nega qualquer ato de corrupção. Por diversas vezes, ele garantiu que tudo está acontecendo para evitar que ele, em 2018, mais uma vez, possa se candidatar à presidência da República. O petista já é visto como candidato certo para as eleições do próximo ano.

E você, o que acha da decisão de Sérgio Moro? Deixe o seu comentário. #SérgioMoro #PT