Nessa quarta-feira, 5, o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, rejeitou a proposta de suspender o mandato de #Jean Wyllys, decorrente de um processo por quebra de decoro. Jean cuspiu em Jair Bolsonaro, no dia da votação de admissibilidade do processo de impeachment de Dilma Rousseff, em abril do ano passado.

O Conselho decidiu que a pena para a conduta de Wyllys será apenas uma censura escrita, que nada mais é que uma pessoa dizer que o ato de cuspir em alguém é errado e por isso a Câmara repudia o ocorrido. Vale salientar que no mesmo dia, Eduardo #bolsonaro cuspiu de volta em Jean, em um ato de, segundo ele, defesa ao seu pai.

Publicidade
Publicidade

A conduta do parlamentar do PSC ajudou os conselheiros da Câmara a relevarem a pena aplicada contra Jean Wyllys.

No ‘dia do cuspe’, Bolsonaro homenageou Brilhante Ustra, o que gerou um processo por quebra de decoro, mas o mesmo encontra-se arquivado. Em resumo, nem a conduta de Bolsonaro, tão pouco a de Wyllys, foram punidas. A diferença é que Bolsonaro, ainda tem um processo no STF, que pode tirar o seu mandato e Jean, por enquanto, não enfrenta nenhuma lide que ameace seu cargo.

Reação dos internautas

Logo que a rejeição da suspensão do mandato tornou-se pública, internautas usaram o Twitter e o Facebook, para comemorarem ou repudiarem a decisão. Um número elevado de pessoas parabenizou o Conselho da Câmara, bem como alguns disseram que Jean cuspiu por eles. Também tiveram muitos internautas dizendo que ambos os deputados deveriam ser punidos ou afastados da política.

Publicidade

Jean Wyllys usou as redes sociais para comemorar o desfecho do seu caso. Já os militantes de Bolsonaro, repudiaram o ato e um pequeno grupo até falou em fazer protestos para que Jean tenha uma punição mais severa.

Vale salientar, que não existe uma lei que prevê protestos como uma forma legitima de alterar leis ou buscar direitos. Protestos pacíficos são garantidos por lei como uma forma de democracia, mas em nada alteram o cenário político ou jurídico do país, muito menos servem para reformar uma decisão de um processo, ainda que seja interno.

Veja algumas publicações sobre o assunto:

O que você achou da 'sentença' de Jean Wyllys? Deixe um comentário e opine. #Jair Bolsonaro