Um ex-agente de segurança revelou fatos surpreendentes que se tornaram comuns dentro do Complexo Penitenciário Bangu 8. As mordomias do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio #cabral, e de sua esposa Adriana Ancelmo foram denunciadas e investigações provavelmente será feitas. Até mesmo presentes foram concedidos para a diretoria do presídio em troca de proteção ao casal. O deputado federal Marco Antonio Cabral (PMDB-RJ) está envolvido nesses agrados.

De acordo com o agente, após a chegada deles no presídio, várias coisas começaram a ser alteradas buscando um melhor conforto para eles. O cardápio foi um dos tópicos que sofreram mudança.

Publicidade
Publicidade

Cada preso tinha uma cota de R$ 100 por semana para gastar com comida. O casal preso conseguiu alterar para o valor de R$ 400 por semana. Foi incluído no cardápio camarão, lasanhas e panquecas. Os familiares dos presos só poderiam entrar na unidade com duas sacolas, agora podem ser três.

Regalias com provas

O Inspetor de Segurança de Administração Penitenciária e presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do estado do Rio, Wilson Camilo Ribeiro, fez graves denúncias sobre a conduta de Cabral na #Prisão. "Ele dorme todas as noites na biblioteca, um dos locais privilegiados com ar condicionado, e manda lavar em casa suas roupas sujas. Os presos daqui não tem esse privilégio, são obrigados a lavar a roupa em suas próprias celas", disse Ribeiro.

Agrados à diretoria do presídio

A diretora do setor feminino de Bangu 8, Rita de Cássia Alves Antunes, a subdiretora Adriana Veríssimo e a chefe de segurança, Maria Aparecida, receberam do filho de Cabral um pequeno agrado em troca de proteção para seus pais no presídio.

Publicidade

O inspetor Ribeiro disse que eles todos ganharam de Marco Antonio convites para assistir o carnaval deste ano, na Sapucaí. Eles ficaram no camarote da escola de samba do Salgueiros.

Para se ter uma ideia da #Corrupção instalada no presídio, a diretora Antunes chegou a comprar uma pizza e deu para Adriana, contou uma funcionária do setor que preferiu não se identificar.