O empresário Hermes Magnus foi o grande responsável em ajudar o juiz Sérgio Moro a deflagrar a maior operação de combate à corrupção no Brasil, a #Lava Jato. Hoje, ele vive escondido em um país que lhe proporcionou asilo político. Magnus contou, em uma reportagem, como foi o começo da Lava jato e a tentativa de morte sofrida por ele.

De acordo com o empresário, tudo começou quando ele tinha uma empresa, em Santa Catarina, de equipamentos para certificação. Como ele precisava exportar os seus produtos, ele procurou investidores para ser sócio dele. Magnus acabou conhecendo o escritório do ex-deputado José Janene e que pertencia também a Alberto Yossef.

Publicidade
Publicidade

Em conversas, o empresário disse que era necessário maquinários caríssimos para a empresa. Diante disso, tanto Yossef quanto Janene resolveram investir muito mais do que o preciso, foi ai que se descobriu qual a intenção deles, que era lavar dinheiro.

Uma empresa fornecedora do Rio Grande do Sul percebeu que algo estava errado e questionou sobre a compra do equipamento caro e pediu uma declaração do depositante, que seria o Posto da Torre.

Posto da Torre

O posto era de Carlos Habib Chater, o doleiro, em Brasília. Foi através desse posto que se deu o nome da Lava Jato, pois nesse local faziam lavagem de tudo, desde de lavanderia, casa de câmbio, lavagem de automóveis, etc.

Segundo Magnus, Yosseff fazia muitos depósitos em dinheiro vivo. "Na minha empresa com eles, tudo era pago em dinheiro, quase nada se passava em bancos", disse o empresário.

Publicidade

Alertado por amigos, que diziam que ele estava participando de um esquema criminoso, Magnus resolveu denunciar a um juiz e encontrou o contato do juiz Sérgio Moro.

"Eu enviei um e-mail ao juiz e ele me respondeu dizendo que encaminharia minha denúncia para a autoridade policial competente", comentou Magnus.

Nasce a Lava Jato

Em 2014, o empresário descobre pela TV que várias pessoas começaram a ser presas e ele lembrava de quase todas elas que costumavam ir no escritório de Janene. "Todos estavam sendo presos, era o começo da Lava Jato". Em seguida, Magnus enviou um outro e-mail ao juiz e perguntou se aquelas pessoas tinham a ver com a denúncia que ele havia feito e o juiz confirmou que sim e ainda agradeceu pelos fatos que tinha recebido. "Moro também atualizou meu contato com a autoridade policial para que nada caísse contra mim, já que fui o responsável em fazer a denúncia".

Magnus teve que ir embora do país após receber várias ameaças. Alguém botou fogo na casa dele, mas por sorte ele não estava presente. Foi uma tentativa de morte sofrida por ele. O empresário teme por vingança, não tanto dos políticos, mas daqueles que se aproveitavam do dinheiro da corrupção.. #SérgioMoro