Operação Lava Jato, impeachment, Michel Temer, Dilma Rousseff, Sérgio Moro e muito mais, são palavras e expressões que passaram a fazer parte do dia a dia da maioria dos brasileiros. E por falar no juiz federal Moro, conforme informações oriundas de outros juristas, estes não se desconectam em momento nenhum do processo movido contra o magistrado de Curitiba pelo ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva. Enfim, ocorre neste momento uma investigação a respeito de Moro, e a forma como julga, por parte de autoridades neutras no exterior, que parecem apontar que toda a base factual ou provas conseguidas em relação à pessoa do mesmo são no mínimo contundentes, o que pode obrigar que o juiz seja impedido de liderar o julgamento do ex-presidente Lula, candidato em potencial e com fortes chances para as eleições presidenciais brasileiras de 2018.

Publicidade
Publicidade

Trata-se de inúmeras fotos que foram incorporadas aos autos; sendo que muitas delas foram registradas em eventos oficias do PSDB, o partido dos tucanos, as quais, por sua vez, têm a chance de confirmar a proximidade extrema do juiz federal de 1ª instância com toda a alta cúpula do partido que sempre foi inimigo declarado do PT, mas as mesmas fotos revelam que Moro é alguém muito afinado com o mineiro Aécio Neves, o sobrinho de Tancredo Neves, ex-governador de Minas Gerais, e que foi fragorosamente derrotado nas eleições presidenciais ocorridas em 2014.

O resumo simples de todo esse imbróglio jurídico é que se a ação movida por Lula for deferida, Moro não terá mais a possibilidade legal de a julgar no território nacional.

Por outro lado, Lula que foi presidente da República por duas vezes seguidas e que conta com o apoio direto de grande parte da população, falou à imprensa que é simplesmente impossível que seja negada a “amizade” do juiz federal do Estado do Paraná e chefe da Operação Lava Jato com o principal partido político inimigo "número 1" de Lula, que é o já mencionado PSDB.

A previsão é de que Luiz Inácio seja julgado por Sérgio Moro no meio deste ano de 2017, ou seja, é um prazo pequeno, um pouco mais de 90 dias, para que a ONU (Organização das Nações Unidas) se posicione decidindo sobre o fato em questão e quem sabe, por meio de tal decisão, o Brasil finalmente possa se reencontrar e sair do período de trevas medievais, no que concerne à política e economia nacionais, no qual está mergulhado.

Publicidade

Enquanto isso, a sociedade brasileira se polariza cada vez mais em torno de ideais políticos que oscilam entre a direita, esquerda e até mesmo entre a cogitação do restabelecimento dos militares no país ou a instauração de grupos simpatizantes da anarquia, como a melhor forma de gestão dos assuntos públicos. #PSDB #Sergio Moro