As últimas delações de ex-executivos da Odebrecht para a Operação Lava Jato acabaram colocando partidos como o PT, PMDB e PSDB na berlinda perante a sociedade. Em um ato de desespero, os parlamentares tucanos e petistas mostraram parecer favorável em relação ao projeto referente ao abuso de autoridade. Na prática, o projeto visa dificultar o trabalho da Polícia Federal e do Ministério Público Federal. Após ser elogiada pelos parlamentares, a proposta acabou sendo vetada por parlamentares do setor de Constituição e Justiça do Congresso Nacional.

Na ocasião, o tema da proposta visava beneficiar políticos envolvidos em esquemas de corrupção.

Publicidade
Publicidade

Foi então que o ex-ministro das Relações Exteriores José Serra foi infeliz em declarar que o maior medo de uma suposta perda de mandato está sendo pluripartidário. Em outra declaração polêmica, Serra defende que #Lula seja candidato em 2018. De acordo com ele, o ex-presidente tem legitimidade para ser candidato em 2018.

Após ser citado no #Esquema de Corrupção da Operação Lava Jato, Serra está evitando frequentar locais públicos. Estima-se que a estratégia não esteja relacionada à vergonha de ter o nome envolvido no maior esquema de corrupção, mas por receio de ser hostilizado por populares.

Além de #José Serra, o senador Aécio Neves (PSDB) é outro citado no esquema de corrupção que evita sair ás ruas. De acordo com a Procuradoria Geral da União, as provas apresentadas contra Serra e Aécio deveriam ser denunciadas ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade

Entretanto, os procuradores entendem que é preciso mais provas para que o ministro Edson Fachin, relator da ''Operação Lava Jato'', aceite a denúncia.

Em outra delação divulgada pela imprensa, o delator Pedro Novis critica José Serra, afirmando que o político nunca ajudou a empresa. No depoimento gravado em vídeo, Novis afirma que a empreiteira sempre investiu nas campanhas de Serra, mas tal investimento não gerou bons resultados e causou muita frustração na empresa após as derrotas nas eleições presidenciais de 2002 e 2010, quando Serra perdeu as eleições para Lula e Dilma. De acordo com o delator, Serra pretendia mudar o perfil econômico do Brasil. O candidato prometeu a Odebrecht que, se fosse eleito presidente, aumentaria os investimentos em infraestrutura e isso renderia mais contratos com a empreiteira, aumentando sua receita anual.

Agora resta ao Ministério Público Federal (MPF) pedir a abertura de inquérito para investigar os políticos citados pelos delatores. O lado bom da Operação Lava Jato é que o atual relator do processo está ignorando as diferenças e está aceitando novas denúncias contra os políticos citados, mesmo que a grande maioria seja absolvida por falta de provas. Estima-se que 2018 será o fim da carreira parlamentar para muitos deles.