Nesta quinta-feira (20), o ex-presidente da construtora OAS, José Adelmario Pinheiro, o Léo Pinheiro, revelou ao juiz Sérgio Moro uma orientação dada pelo ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva para evitar que a #Lava Jato chegasse nele.

Publicidade

A orientação foi dada em um encontro sigiloso e Lula pediu para que todas as provas fossem destruídas.

Publicidade

Era a única forma dele escapar da Operação Lava Jato. "Ao sentir a força da Lava Jato, Lula me orientou para que todos os documentos fossem destruídos", disse Léo.

Tudo foi realizado em maio de 2014, quando a Operação Lava Jato começava a despontar contra os esquemas de corrupção na Petrobrás. De acordo com Léo, dois casos envolvendo Lula podem causar grandes dores de cabeça ao ex-presidente. As obras no sítio de Atibaia, interior de São Paulo e a reforma do triplex no Guarujá, litoral do estado, são fortes indícios do esquema corrupto que tinha como "chefe' o petista.

Palocci

Na manhã desta quinta-feira (20), o juiz Sérgio #Moro também ouviu o ex-ministro Antonio Palocci. Ele informou ao juiz que dará todas as informações que forem necessárias. Palocci, pelo jeito, não vai querer ficar preso tanto tempo como o ex-ministro José Dirceu.

Publicidade

Ele pediu para que Moro determinasse o dia e o horário que ele falaria sobre todos os detalhes do esquema corrupto em que participou.

Palocci era um dos intermediadores entre a Odebrecht e o ex-presidente Lula. Podemos dizer que ele era o braço direito de Lula. Foi constatado, através das investigações, acordos fraudulentos entre o governo de Lula e Dilma e a Odebrecht.

Denúncias mostram que a SeteBrasil, empresa ligada a Odebrecht e que fechou contrato com a Petrobrás para a construção de 21 sondas de perfuração, foi beneficiada com um esquema criminoso entre a cúpula do governo e os altos executivos da empresa.

OAS

Léo Pinheiro e Palocci movimentaram o cenário político com seus fortes depoimentos. Léo confirmou que o triplex do Guarujá era de Lula e que a construtora pagou por toda a cozinha e os móveis planejados. Até mesmo um elevador interno foi colocado atendendo um pedido da mulher de Lula, a falecida dona Marisa.

Léo ainda está em negociação para fazer uma delação premiada e muita coisa ele pode ainda explicar.

A defesa de Lula afirma que o ex-presidente foi ver o apartamento mas não se interessou. Os investigadores não acreditam nisso e cada dia que passa surgem mais provas de que Lula era o dono do imóvel.