Os jornalistas, apresentadores, produtores e cinegrafistas da emissora #Rede Globo, ficaram revoltados com a decisão da diretora de #Jornalismo Silva Maria. Devido a "bomba" revelada na lista do ministro do Supremo Tribunal Federal, #Edson Fachin, funcionários da emissora vão ter que trabalhar em dobro neste próximo feriado e eles tentam a todo o custo convencer a diretora a não cancelar suas folgas.

Os famosos jornalistas e apresentadores já tinham passagens aéreas compradas para curtir o feriado com a família e amigos, só que com a enxurrada de informações do relator dos processos da Lava Jato no STF, todas as folgas serão canceladas.

Publicidade
Publicidade

Em justificativa, Silva Maria disse que o momento é de dar atenção a esse fato que está chocando o país e considerado inédito pela lista gigantesca de políticos envolvidos em casos de corrupção e lavagem de dinheiro.

A Rede Globo reforçará seu time nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, pois acreditam que as consequências da "lista de Fachin" prometerá novas revelações. Os nomes de envolvidos foram divulgados nesta última terça-feira (11), vários ministros do governo de Michel Temer estão "encrencados" no Supremo. Além disso, grandes partidos políticos, uma lista de senadores, e uma infinidade de deputados federais integram a lista. Todos por participarem de esquemas ilegais, incluindo pagamento e recebimento de propina e benefícios concedidos ilegalmente para empreiteiras.

Os políticos citados vieram da chamada "delação do fim do mundo" que foi feita por executivos e ex-executivos da empreiteira Odebrecht.

Publicidade

Alguns nomes que estão na lista são: Geraldo Alckmin, Aécio Neves, Renan Calheiros, Lindberght Farias, entre outros. Agora, é aguardar o desenrolar dos "próximos capítulos"

Revolta

Informações passadas pelo portal "Notícias da TV", havia funcionários que gastaram mais de R$ 5.000 para aproveitar a folga. Com a notícia, funcionários se revoltaram ainda mais, pois souberam que os valores gastos com reserva de hotéis e passagens não seriam reembolsados pela emissora.

O objetivo agora é de "convencimento", todos estão fazendo de tudo para convencer a diretora a mudar de ideia, a justificativa que estão dando é que o STF irá imobilizar as ações devido ao feriado, e que não ocorrerá notícias marcantes para que eles tenham que captar. Afirmam que iriam ficar "sem fazer nada". Há jornalistas argumentando que até quinta-feira (13), a "lista de Fachin" perderá completamente suas "forças", e não seria necessário ter o "apoio" de tantos funcionários para cobrir as matérias.