Pelo que tudo indica o Brasil "arderá" em uma grande fogueira de tendências, inclinações e manifestações políticas ao longo do ano de 2017, em função justamente do pior cenário econômico vivenciado pelo país nas últimas décadas. De um lado está Michel Temer e sua trupe com políticas econômicas, que podem algumas até ser necessárias, mas são extremamente impopulares. De tão ácidas, tais reformas nas leis trabalhistas e Previdência Social, por exemplo, são consideradas como um fenômeno de usurpação dos direitos sociais e relações no trabalho que os brasileiros conquistaram a duras penas, dizem os críticos de Temer.

Não é à toa que Luiz Inácio #Lula da Silva, ex-presidente da República em duas ocasiões, foi aclamado no dia 29 de abril, sábado, por uma grande multidão de admiradores e simpatizantes políticos, que foi ao encontro do mesmo e de outras lideranças locais e nacionais do PT - Partido dos Trabalhadores, durante o ato que visou defender com palavras de ordem e ações práticas, o complexo do Polo Naval no Estado do Rio Grande do Sul.

Publicidade
Publicidade

Várias vezes foram ouvidas frases que acabaram se transformando em verdadeiros cânticos, onde as pessoas diziam palavras tais como: “volta, querida” em alusão a ex-presidenta #Dilma Rousseff, que também acompanhava Lula e escutou atenta o discurso do velho pernambucano petista, o qual proferiu palavras com o máximo de contundência em relação a Michel Temer e ao governo do mesmo, que tem por objetivo a continuidade das ditas reformas impopulares.

Lula fez absoluta questão de frisar que todos aqueles indivíduos que promoveram um golpe de Estado em Dilma Rousseff sob o pretexto de que o país iria melhorar significativamente, o tempo só fez mostrar que eles estavam redondamente enganados e o tiro saiu pela culatra, ou seja, essas mesmas pessoas fizeram sim, foi piorar o quadro político-econômico da nação.

Publicidade

O que acontece de concreto neste momento é que os direitos trabalhistas que foram construídos pelo gaúcho Getúlio Vargas estão sendo dilapidados, de modo que o trabalhador volte a uma condição de escravidão no ambiente de trabalho, assim como era no século passado, disse Lula.

O ex-presidente pelo PT reforçou ser ilegal a atitude do Planalto Central de querer jogar nas costas da população o rombo abissal existente na Previdência. Qual é o significado de todos esses acontecimentos, alguém pode estar se perguntando e a resposta é muito simples, isto é, Lula já está participando na campanha intitulada “volta, Lula” no que se refere às eleições presidenciais agendadas para 2018.

Luiz Inácio reforçou que não se encontra nem um pouco flexível para negociar com os grandes meios de comunicação do país como a TV Globo e outras emissoras, que segundo os políticos de esquerda e com forte tendência para os ganhos sociais, são as grandes arquitetas do golpe de Estado que aconteceu no Brasil no ano passado.

Publicidade

O ex-presidente não parou por aí e ainda desafiou que a emissora carioca escolha logo o candidato para concorrer com ele à presidência da república e assim ser derrotado, pois conforme ele mesmo disse, os seus 71 anos de idade não permitem que ele saiba por quanto tempo ainda terá vida para dirigir o país com o apoio popular, mas que independente de quanto tempo isso venha a durar, será o tempo “necessário para defender a democracia neste país”, complementou Lula.

Lula diz publicamente: ‘Terei o maior prazer em ser candidato para derrotar o escolhido da rede Globo'

#Eleições 2018