A atual crise política que se abate sobre o meio político nacional e as divulgações "explosivas" de delações premiadas dos representantes da empreiteira #Odebrecht, levam a um momento muito preocupante para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. #Lula, com a proximidade de seu depoimento no âmbito da Operação Lava-Jato, que deverá ser dado presencialmente ao juiz Sérgio Moro, em 03 de maio próximo, à Justiça Federal de Curitiba, no Paraná, Lula tenta de todas as formas, se reunir com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e até mesmo, com o atual presidente da República, Michel Temer.

Antes mesmo de a delação premiada dos ex-executivos da maior empreiteira do país vierem a público, Lula já tinha planos de se encontrar reservadamente com Fernando Henrique.

Publicidade
Publicidade

A intenção era que os dois se reunissem para debater a crise política. #FHC não rejeitou a ideia, porém, condicionou que a conversa realizada já tivesse temas pré-definidos. O receio de FHC é que o possível encontro entre os dois ex-presidentes, seja visto por todos como um "abraço de afogados".

Ação por intermédio de ex-ministro do Supremo

Interlocutores dos ex-presidentes são simpáticos à ideia escancara de Lula e tentam promover um encontro entre os dois. Lula chegou a telefonar para Fernando Henrique, porém, com os estilhaços das delações de ex-funcionários da Construtora Odebrecht, a iniciativa torna-se muito dificultada. O próprio FHC afirmou que o propósito da reunião partiu de Lula, que deseja encontra-lo pessoalmente. Lula agradeceu o depoimento de FHC ao juiz Sérgio Moro, visto como favorável à defesa do petista, que já é réu em cinco processos, sendo dois deles, no âmbito da Lava-Jato.

Publicidade

O contato de Lula com FHC começou a se materializar, a partir da data em que FHC fora no Hospital Sírio-Libanês, após o atestado de morte da ex-primeira-dama, Marisa Letícia.

Entretanto, o ex-presidente Lula, durante aquele momento trágico familiar, também aproveitou para manifestar o mesmo desejo de se encontrar com o presidente Michel Temer, que foi ao hospital prestar condolências, devido à situação de Marisa.Um dos grandes defensores da aproximação entre Lula e FHC, é o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Nelsom Jobim. O argumento de Jobim, ex-ministro dos governos Lula e FHC, é que a crise política foi produzida pela Lava-Jato e somente se resolveria através da politica. Lula endossa totalmente essa tese, já que ele se encontra "com a corda no pescoço".