O requerimento ainda não foi feito de forma oficial pelos advogados do ex-presidente, no entanto já se tornou público, através de informações midiáticas, que #Lula vai requerer que seja feita a “transmissão ao vivo” de suas declarações ao juiz Sérgio ##Moro, alegando que é para não haver “vazamento seletivo” de trechos da sua fala pelos meios de comunicação social.

Nesta ação penal, Luiz Inácio Lula da Silva é réu por corrupção e lavagem de dinheiro, no âmbito da Operação Lava Jato, pelo recebimento do valor de R$ 3,7 milhões em propinas da OAS, a empreiteira que teria pago com parte do dinheiro, a reforma do triplex do Condomínio Solaris, no Guarujá/SP.

Publicidade
Publicidade

Os juízes e promotores da Lava Jato acreditam que o imóvel é do petista. #Lula nega veementemente ser o dono do citado triplex, apesar das provas contundentes já apresentadas.

O depoimento do ex-presidente estava marcado, em princípio para o dia 3, mas foi adiado para o dia 10 de maio, a pedido da Polícia Federal e da Secretaria de Segurança Pública do Paraná, sob alegação de que necessitam de um tempo maior para montarem todo o esquema de segurança indispensável a tal evento jurídico, nas imediações do prédio-sede da #Justiça Federal em Curitiba, onde fica localizado o gabinete do juiz federal Sérgio Moro.

O juiz Moro deferiu o pedido de adiamento da audiência, feito pelas duas entidades, em razão de reconhecer haver a grande possibilidade de que "ocorram manifestações favoráveis ou contrárias ao acusado em questão, já que se trata de uma personalidade política, líder de partido e ex-Presidente da República".

Publicidade

Ressaltou que, tais movimentações são permitidas, desde que sejam pacíficas. "Havendo, o que não se espera, violência, deve ser controlada e apuradas as responsabilidades, inclusive de eventuais incitadores", registrou o Juiz. Será a primeira vez que Lula estará presencialmente na sede da #Justiça Federal do Paraná em Curitiba e suas declarações serão ouvidas em audiência presidida pelo magistrado paranaense, Sérgio Moro.

O imóvel em questão (triplex), não tem escritura em nome do petista e, no papel, pertence à OAS, mas em depoimento, o ex-presidente da empreiteira, conhecido como Léo Pinheiro, disse que o triplex em Guarujá, jamais foi colocado à venda e ainda, que tinha recebido orientação para não vende-lo, visto que pertenceria à família do ex-presidente.

Lula afirma categoricamente que o juiz Moro, “não tem provas suficientes” contra sua pessoa no processo que envolve o triplex e tem a pretensão, com o depoimento, de se capitalizar politicamente.

Há grande expectativa da população brasileira em relação ao referido depoimento, uma vez que uma parte do povo, apoia a Operação Lava Jato, bem como ao Juiz Moro e outra parte é de militantes petistas e eleitores do ex-presidente. Faz-se necessário realmente, um forte esquema de segurança para que seja evitado todo e qualquer tipo de violência em tal data.