Na tarde desta última quinta-feira, 27, o deputado federal do partido PSC de São Paulo e pastor da Catedral do Avivamento, #Marco Feliciano foi hostilizado publicamente. Ele, que estava no voo com destino à Guarulhos da companhia aérea Azul sofreu forte represália durante a viagem. De acordo com relatos do próprio parlamentar e dos demais passageiros, Feliciano foi agredido verbalmente por cerca de 10 homossexuais.

O fato veio à público após vários vídeos serem compartilhados nas redes sociais e também após uma publicação no Twitter do próprio deputado, onde ele fez questão de agradecer ao apoio e solidariedade de alguns passageiros, do piloto e dos comissários de bordo que se esforçaram para por fim ao movimento.

Publicidade
Publicidade

Segundo Marco Feliciano, dois 'ativistas' mais alterados, chegaram a sair de seus lugares e se dirigir à poltrona onde ele estava assentado, para disparar uma série de ofensas e até mesmo tocar no parlamentar.

Feliciano, que sempre é auxiliado pelo amigo e cantor Roberto Marinho, contou com sua colaboração para tentar impedir que os homens debruçassem sobre ele e até mesmo encostassem propositalmente seus órgãos genitais. De acordo com Roberto: ''Tentaram encostar no rosto, nos cabelos e no queixo de Feliciano, eu fiz de tudo para impedir, mas foi em vão. Ouve tumulto”.

Ao pousar a aeronave, a Azul disponibilizou uma carro para conduzir o deputado ao posto da Polícia Federal para que ele fizesse uma queixa de agressão, porém o parlamentar dispensou o serviço e até o presente momento nenhuma denúncia formal foi feita da parte de Feliciano.

Publicidade

Em suma, o parlamentar lamentou o episódio e afirmou: ''Estes cidadãos expuseram os passageiros e colocaram sua segurança em risco. Eles pedem respeito mas não respeitam”.

Assista um trecho do discurso realizado contra o deputado no voo:

Marco Feliciano

Nascido em 12 de outubro de 1972, na cidade de Orlândia em São Paulo, Marco Antônio Feliciano se tornou pastor evangélico muito cedo. Com um ministério de peso na Assembléia de Deus e conhecido em diversos países, ele entrou na política em 2010 e ocupa atualmente o cargo de deputado federal pelo Partido Social Cristão e preside a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados.

Ele, que se diz defensor dos direitos morais, vive em constante conflito com a comunidade LGBT, representada diretamente pelo também deputado Jean Wyllys do PSOL.

Atualmente com 44 anos, Marco é casado com Edileusa de Castro Silva Feliciano e pai de três filhas, são elas: Karen, Ketlin e Kamilly. #agressão Marco Feliciano #gays ofendem Marco Feliciano