A mulher do empresário #Eike Batista, Flávia Sampaio, utilizou sua rede social do Instagram para mostrar sua "indignação" durante o processo de liberação de seu marido, que se encontrava preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, no Bangu 9 (Bandeira Stampa). A "revolta" da mulher do empresário se deu a partir da demora nos procedimentos, Flávia reclama que a burocracia foi de mais de 40 horas, após a decisão dada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal, #gilmar mendes.

Flávia Sampaio também criticou a oficial de Justiça que teria marcado para estar presente as 7 horas da manhã, e não teria chegado no horário marcado, passando-se então 36 horas da decisão do Supremo.

Publicidade
Publicidade

A mulher de Eike ainda usou as hashtags "BrasilSemEsperança" e disse que era preciso "ter mais respeito", pois quem deveria "dar o exemplo" (a oficial), não estaria cumprindo com o papel. Flávia aparentou estar muito irritada com a demora de mais de dois dias para a libertação do acusado.

Gilmar Mendes decidiu

Preso no Rio de Janeiro, Eike Batista se encontrava em regime fechado, porém o ministro Gilmar Mendes determinou a libertação do acusado, colocando-o em prisão domiciliar. Eike Batista foi solto na manhã desde domingo (30), liberado para ir até sua mansão, localizada na zona sul do Rio de Janeiro, Jardim Botânico.

No início do mês de abril, Gilmar Mendes também resolveu "ajudar" outro preso, Flávio Godinho, conhecido por ser um dos braços-direto de Eike Batista, Godinho também conseguiu prisão domiciliar, podendo ter mais "conforto" que o presídio do Rio, cumprindo a pena dentro de sua própria casa.

Publicidade

Eike Batista é acusado de ter favorecido o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, pagando uma propina absurda de US$ 16,5 milhões. Além de crimes de #Corrupção, Eike se envolveu com lavagem de dinheiro, pois teria feito de tudo para ocultar o valor milionário. O empresário foi "pego" pela Operação Lava Jato, na fase batizada de Operação Eficiência.

Na semana passada, a ministra do Supremo Tribunal de Justiça, Maria Thereza de Assis, negou a libertação de Eike, porém nas mãos de Gilmar Mendes, o empresário teve o pedido atendido.

A Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro determinou no dia 13 de janeiro a prisão preventiva do empresário que estava em um viagem no exterior. Eike só se entregou para a Polícia Federal no dia 30 daquele mês. Agora, o empresário poderá se juntar novamente a sua esposa e filhos, cumprindo pena em sua mansão.