O empresário Marcelo Odebrecht prestou depoimento mais uma vez ao juiz Sérgio Moro nesta segunda-feira (10). Dessa vez, o depoimento do empreiteiro foi como testemunha em um processo que investiga o ex-ministro Antônio Palocci e o recebimento de propina e facilidades por parte do político.

Em seu primeiro depoimento após ter assinado o acordo de delação premiada, Odebrecht falou sobre os codinomes encontrados em planilhas da empreiteira. Ele confirmou que o "amigo" apontado pela impressão como sendo Lula, é mesmo, em sua palavra, o ex-presidente.

Odebrecht confirmou que o codinome "Italiano" era para identificar Antônio Palocci e “pós-itália”, o ex-ministro Guido Mantega.

Publicidade
Publicidade

Apesar de estar sob sigilo, o depoimento comandado por Sérgio Moro vazou em tempo real pelo Twitter.

Apesar de conter centenas de nomes, a única informação vazada pela imprensa da confirmação de alguns deles dizem respeito ao ex-presidente e os dois ex-ministros petistas. Nada se falou sobre nenhum dos outros apontados como integrantes da planilha.

Marcelo Odebrecht também afirmou que fez uma doação em 2014 ao Instituto Lula. E completou dizendo que adquiriu um terreno onde seria construída uma nova sede do mesmo Instituto. A obra nunca foi acabada. #Dentro da política