A sexta-feira, 28, ficou marcada por mais um dia de #Greve em todos os estados do país. A "Greve Geral" já vinha sendo anunciada com força nas redes sociais e teve adesão especialmente nas principais capitais brasileiras. Dentre as pautas defendidas pelos participantes, destaque para as críticas às reformas trabalhistas e da Previdência propostas pelo governo de Michel Temer.

Luiz Inácio #Lula da Silva, o Lula, foi um dos grandes apoiadores da greve. Ele defendeu a legitimidade da paralisação em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, e indicou que as reformas propostas podem fazer o Brasil voltar ao passado.

"Essa gente (atual governo) só pode estar querendo voltar ao tempo da escravidão, voltar ao tempo de Getúlio Vargas", resumiu.

Publicidade
Publicidade

"A sensibilidade política deles é zero", ampliou, criticando o "golpe" dado em sua afilhada política, Dilma Rousseff.

O ex-presidente também destacou que a força da greve poderá mexer com o pensamento dos parlamentares dentro do Congresso Nacional. Em outras palavras, Lula acredita que as reformas podem ter mais dificuldade em passar após esta sexta-feira.

"Essa é uma greve que tem o potencial de fazer o Congresso rever o seu posicionamento. Sem dúvida é uma greve histórica para o Brasil", acrescentou.