Na tarde desta quarta-feira (05), o juiz Marcelo Bretas informou que Adriana Ancelmo, esposa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio #cabral, não permitiu a entrada de agentes federais em seu apartamento. Os policiais são responsáveis por fazer vistorias no apartamento para saber se Adriana está seguindo as regras impostas pelo Juiz Bretas, para que ela continue em prisão domiciliar.

Os agentes da Polícia Federal (PF) avisaram do ocorrido para o juiz, durante uma audiência da Operação Calicute.

Existem vários requisitos que são obrigatórios a serem seguidos por Adriana e os agentes têm a permissão de vistoriar a qualquer momento o apartamento dela para ver se ela não está infligindo as normas determinadas pelo juiz.

Publicidade
Publicidade

Ela não pode ter acesso à internet, não pode receber visitas e nem ter telefone no local. As vistorias só podem ser feitas mediante o horário das 6h até às 18h.

Agentes barrados

O magistrado afirmou que irá analisar o caso para tomar as providências corretas. De acordo com o colunista do jornal O Globo, Lauro Jardim, a esposa de Cabral não deixou os agentes entrarem devido o nome deles não estarem na lista que a #Polícia Federal deixou com ela.

Marcelo Bretas irá decidir qual a punição para esse atitude errada. Do ponto de vista jurídico, ele pode determinar que ela volte à prisão em regime fechado.

A defesa da ex-primeira dama já foi notificada sobre o impedimento da entrada dos policiais.

Transferência de Cabral

Até o fim deste mês, o ex-governador, Sérgio Cabral, irá ser transferido para outra unidade prisional.

Publicidade

O Ministério Público do Rio de Janeiro queria impedir a transferência dele, pois acredita que no outro presídio ele terá benefícios e mordomias, coisas que já estão acontecendo em Bangu 8.

A juíza Ana Cecilia Gomes de Almeida ressaltou que a transferência não pode ser impedida, pois o Judiciário não pode intervir em uma decisão do Executivo.

A Secretaria de Administração Penitenciária (Seap) é a responsável em articular essa transferência do ex-governador e de outros presos da Operação Lava Jato, todos com ensino superior completo. #Justiça