O ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva, se mostrou inconformado após receber a notícia de que o ex-ministro Antonio #Palocci está avaliando fechar um acordo de delação premiada. A atitude de Palocci causou grande desconforto para o ex-presidente que chegou até a mandar uma pedido para a defesa de Palocci, falando para que "controlem o cliente".

Palocci está preso há cerca de cinco meses, ele é acusado de participar de esquemas ilícitos, recebendo propina da empreiteira Odebrecht e intrometendo-se no governo federal, fazendo de tudo para beneficiar a empreiteira. Outros petistas como José Dirceu e Vaccari Neto não procuraram fechar acordo de delação premiada, e com isso, estão na cadeia para cumprir penas de respectivamente, 23 e 15 anos.

Publicidade
Publicidade

Palocci está na superintendência da Polícia Federal em Curitiba, Paraná.

José Roberto Batochio, advogado de defesa criminalista de Antonio Palocci, negou qualquer conversa entre Lula e seu cliente e até mesmo que haja uma delação premiada.

Acusações

O ex-ministro, que atuou na Casa Civil do governo de Dilma Rousseff e no Ministério da Fazenda durante o governo de Lula, foi preso na 35° fase da Operação Lava Jato, no dia 26 de outubro de 2016. Ele é acusado de #Corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

No ano passado, a denúncia do Ministério Público Federal (MPF) que prejudicou Palocci, também envolveu cerca de 14 pessoas, a maioria por acusações de corrupção e lavagem de dinheiro. Ao todo, foram bloqueados R$ 284.696.735,92, o valor se refere a contratos estabelecidos entre a Petrobras e a empresa Sete Brasil.

Publicidade

Os procuradores entraram também com um pedido para o juiz federal Sérgio Moro, para que caso os acusados sejam condenados, eles paguem uma multa de R$ 505.172.933,10, o valor se refere ao dobro de propinas recebidas por eles.

A Operação Lava Jato já colocou na cadeia grandes nomes da sociedade e é comandada pelo juiz Sérgio Moro, magistrado que ganhou grande notoriedade ao colocar na prisão empresários e políticos da alta sociedade brasileira.