O procurador do Ministério Público Federal e coordenador-geral da força-tarefa da Operação Lava-Jato, Deltan Dallagnol, concedeu entrevista nesta quarta-feira (26), e pôde abordar diversos temas, inclusive, em relação às provas coletadas que envolvem o ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. A entrevista de Dallagnol foi dada, a partir de um hotel localizado em Curitiba, capital do estado do Paraná e sede da maior operação de combate à #Corrupção de que se tem notícia na história do país. A Lava-Jato é conduzida em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba.

Publicidade
Publicidade

Lançamento de livro

O procurador Deltan Dallagnol, lançou um livro, cujo título é: "A Luta contra a Corrupção". Ele relata que a decisão de publicar o livro sobre os desdobramentos da Operação Lava-Jato, se reflete a partir de todo o trabalho desempenhado da força-tarefa de investigação. Ele ressaltou ainda que "sentiu falta de uma discussão aprofundada sobre os rumos em que todos podemos seguir, em se tratando do país, embora não esteja pensando em nenhuma carreira política", alertou o procurador que coordena a Lava-Jato. Deltan Dallagnol foi enfático em afirmar que a proposta do livro, deve-se à necessidade que se vá além da Operação Lava-Jato no Brasil. Ainda segundo o procurador, o Brasil deve aproveitar a "janela aberta" no momento atual, para que sejam feitas as reformas necessárias, em se tratando de proporcionar um país que tenha menos corrupção.

Publicidade

Em relação à citação em seu livro sobre a morte do ministro Teori Zavascki em um trágico acidente aéreo no início do ano, Deltan Dallagnol se refere ao episódio como algo que o fez não conseguir dormir, devido ao impacto emocional, já que Teori se fez respeitar por suas decisões proferidas, sempre através de caráter apartidário e com conteúdo técnico. Deltan ainda foi categórico em afirmar que o impacto com a morte do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, que na força-tarefa da Lava-Jato, "não se fala sobre segurança, por razão de segurança", ressaltou.

Provas contra Lula

Durante a entrevista à imprensa, ao ser questionado sobre a situação do ex-presidente Lula, o procurador Dallagnol foi contundente: "Sem provas consistentes, não faríamos a acusação criminal contra o ex-presidente Lula, pois, entendemos que haviam provas suficientes para realizá-las", disse o procurador da Lava-Jato.

#Lava Jato