O sociólogo Branislav Kontic está se tornando a peça-chave da Operação #Lava Jato. Filho de iugoslavos, Kontic é assessor do ex-ministro Antonio #Palocci e seu nome tem figurado entre os delatores dos executivos da Odebrecht com muita frequência. O ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, disse em seu depoimento que Kontic era o responsável em manusear a conta "amigo", que abastecia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com Marcelo, Kontic chegou a levar R$ 13 milhões em dinheiro vivo entregue nas mãos de Lula. O petista nega que isto aconteceu.

O sociólogo fica o tempo todo em sua casa, lendo livros e possui uma tornozeleira eletrônica presa à perna.

Publicidade
Publicidade

Ele anda muito abatido e chegou a tomar vários tipos de remédios, um atrás do outro, tentando um #Suicídio em decorrência de um período de depressão, no final do ano passado. Nas audiências ele mantém a cabeça baixa e os ombros encurvados. Existe uma forte pressão petista sobre ele para que não faça a sua delação.

Dirigentes do PT chegaram a culpar os investigadores pela depressão de Kontic. Eles disseram que os investigadores jogam pesado com ele em busca de provas contra Lula.

Falência

O sociólogo conheceu Palocci na década de 1970. Ele trabalhava com seu pai em uma malharia que vinha crescendo muito. Porém, no começo dos anos 1990, seu plano empresarial foi por água baixo devido os produtos chineses invadirem o país e o Plano Real se equiparar ao dólar. O sociólogo acabou falindo.

Ao falir ele retorna para a política e em 2000 é chamado para trabalhar no gabinete de Marta Suplicy, que havia ganho para ser prefeita de São Paulo.

Publicidade

Kontic criou um projeto urbanístico para a zona leste da cidade.

Em 2007, ele foi trabalhar para o ex-ministro Palocci, que havia sido eleito para deputado federal. Quando Palocci se tornou ministro-chefe da Casa-Civil do governo da ex-presidente Dilma Rousseff, o sociólogo estava junto com ele. Por ele estar junto com Palocci em todos os momentos, pessoas diziam que ele era um "secretário de luxo". A lealdade dele com o ex-ministro de Lula e Dilma era de grande respeito e elogio. Ele apoiava e sabia de tudo o que ocorria nos negócios de Palocci.

Depoimento

Branislav Kontic deu um depoimento ao juiz Sérgio Moro confirmando que trabalhava com Palocci. Ele chegou a tentar convencer a Odebrecht a investir em infraestrutura na Sérvia, mas não obteve sucesso. Entre todas as contas congeladas do ex-ministro e de seus assessores, a de Kontic era a mais pobre. Segundo relatos de amigos, ele tinha medo de ser preso e a grande preocupação dele era o sustento da família.

O sociólogo afirmou que nunca recebeu propina em contratos públicos.

O PT monitora o sociólogo e teme que ele resolva fazer uma delação.