Nos últimos dias, o cenário político brasileiro tem ficado agitado com o conteúdo das delações do empresário Marcelo #Odebrecht, que, dentre outras alegações, garantiu que o uso do chamado "Caixa 2" é prática recorrente entre todos os políticos brasileiros que se elegem para algum cargo.

Neste final de semana, em entrevista à Agência EFE, Michel #Temer discordou e disse que o "uso universal do Caixa 2 no Brasil" é apenas uma "opinião" de Odebrecht.

"Vejo como apenas uma opinião. Odebrecht é que acha que os políticos fazem o uso do Caixa 2. E, ao se manifestarem assim, acabam admitindo que eles eram os produtores disso. Conheço vários políticos que não fizeram uso de Caixa 2 para se eleger.

Publicidade
Publicidade

Fui presidente do maior partido brasileiro (PMDB) por 15 anos e todas as doações eram regulares", avaliou Temer.

Sobre as delações da Odebrecht, que envolveram inúmeros políticos importantes e renomados, dentre eles ministros do próprio governo Temer, o presidente entende que elas não irão prejudicar as reformas que tramitam no Congresso Nacional. Ele ainda estabeleceu uma "linha de corte" no núcleo governista para estes casos.

"Se o meu ministro é denunciado pelo Ministério Público, eu afasto de forma provisória. Se o Judiciário aceita a denúncia, afasto em definitivo", explicou.