O presidente da República #Michel Temer, concedeu uma entrevista "reveladora" para a TV Bandeirantes. Temer contou o que teria motivado o ex-presidente da Câmara dos Deputados, #Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a abrir um pedido de impeachment contra #Dilma Rousseff. Pelas falas de Temer, o pedido de impeachment partiu de uma "revolta" de Cunha após ter sido "traído" por três petistas: Valmir Prascidelli (PT-SP), Zé Geraldo (PT-PA) e Léo de Brito (PT-AC).

Publicidade

Publicidade

Conforme o trio de petistas estarem contra Cunha por um período de dez meses em um processo no Conselho de Ética, Eduardo Cunha resolveu tomar uma atitude. Temer contou que no início, Cunha o procurou para dizer que não iria abrir nenhum processo de impeachment contra Dilma, porque os três petistas iriam o absolver votando a seu favor no Conselho de Ética, então Cunha iria arquivar vários pedidos de impeachment que estariam sob sua mesa, totalizando cerca de dez ou doze pedidos.

Michel Temer disse que ficou muito "contente" com a atitude de Cunha e avaliou que dessa forma ele iria melhor se posicionar perante o partido, não seria então considerado um membro de oposição ao governo. Temer conta que como Cunha era o presidente do PMDB, ficaria ruim ele estar entre um "vai e volta", deixando duvidas sobre sua posição perante o governo de Dilma.

O presidente Temer então, aproveitou uma reunião que teria juntamente com Dilma e governadores e contou para a petista que Cunha iria arquivar todos os processos de impeachment.

Publicidade

Chegando no Palácio da Alvorada, Temer encontrou Dilma na biblioteca e foi enfático: "Presidente, pode ficar tranquila". A reação de Dilma foi esperada, ela considerou que aquilo era algo muito bom e se manteve "calma" durante toda a reunião com os governadores.

Surpresa

No dia seguinte, Temer se surpreende com um telefonema de Cunha avisando que tudo o que ele teria dito foi em vão e que ele daria sim, entrada nos pedidos de impeachment. Cunha foi traído pelos três petistas e resolveu prosseguir contra o governo de Dilma. Eduardo Cunha teria dito para Temer que já iria convocar toda a imprensa para ficar atenta aos futuros acontecimento.

Michel Temer disse na entrevista que se os três petistas absolvessem Cunha, talvez Dilma Rousseff continuaria como presidente do Brasil, ele conclui dizendo que não contribuiu para afastar a petista.

Hoje, Eduardo Cunha se encontra preso por corrupção e lavagem de dinheiro pelas investigações da Operação Lava Jato.