O ex-governador Sérgio Cabral e sua esposa Adriana Ancelmo tiveram problemas para a viagem até Curitiba. O #avião em que Cabral estava precisou retornar para o Rio de Janeiro às pressas após apresentar problemas técnicos. O avião pertence à Polícia Federal e até agora não foi constatado o motivo da pane.

Cabral e sua mulher estarão frente a frente com o juiz Sérgio #Moro em uma audiência marcada para esta quinta-feira (27), às 14 horas. O depoimento deles é sobre desvios que ocorreram no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro.

Devido esses problemas no avião, a viagem foi remarcada para amanhã de manhã.

Agentes federais buscaram Adriana em sua casa, no Leblon, na tarde desta quarta (26).

Publicidade
Publicidade

Ela, por enquanto cumpre prisão domiciliar, mas já está certa a sua volta para a prisão. A noite, ela voltou para o apartamento em decorrência dos problemas do avião. As autoridades ainda não haviam confirmado se ela estava presente na aeronave.

Denúncias

O ex-governador virou réu na Justiça Federal do Paraná. Ele está preso desde novembro do ano passado. O Ministério Público Federal (MPF) acusa um esquema criminoso e corrupto de Cabral e seus operadores. Foram feitos pagamentos de vantagens indevidas a partir do contrato da Petrobras com o Consórcio Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Os investigadores afirmam que houve um acordo entre Cabral e seus operadores e o ex-diretor da estatal petrolífera, Paulo Roberto Costa, que inclusive, virou delator da Lava Jato. Nesse acordo foram assumidas promessas para que a construtora Andrade Gutierrez tivesse vantagens em licitações.

Publicidade

Sérgio Moro interrogará o casal, nesta quinta (27) e quer saber de todos os detalhes destas transações fraudulentas.

De volta à prisão

Adriana Ancelmo teve poucos dias de conforto em sua prisão domiciliar. Após pedido do MPF, o Tribunal Regional Federal determinou o retorno de Adriana para a prisão.

O benefício dela havia sido concedido pelo juiz Marcelo Bretas após pedidos dos advogados dela que disseram que os filhos menores do casal estavam tristes com a distância dela. Bretas autorizou a prisão domiciliar mas exigiu que se cumprisse várias regras, como por exemplo, impedir que haja acesso à internet e nem tenha telefone fixo no apartamento dela.

O MPF pediu que ela voltasse para a prisão com cisma de que ela acesse e movimente o patrimônio oculto de Cabral. Mesmo ela cumprindo as medidas impostas, isso poderia acontecer, em breve, afirmou o MPF. #Sergio Cabral