O Brasil foi atingido por um tsunami chamado JBS. A delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários da empresa, caiu como uma bomba. As informações dadas por eles em depoimento na operação #Lava Jato fez o Brasil parar na noite desta quarta-feira (17), quando o jornal O Globo trouxe em primeira mão em seu portal de notícias trechos da delação dos irmãos responsáveis pela JBS.

Foram apresentadas gravações de áudio e vídeo mostrando o presidente Michel Temer e o senador #Aécio Neves envolvidos em propinas e sobre o pagamento que deveria ser feito ao ex-deputado federal #Eduardo Cunha para que ele se mantivesse em silêncio.

Publicidade
Publicidade

A situação de Temer ficou insustentável, de acordo com especialistas políticos, embora ele negue veementemente tudo que está relato a Polícia Federal. Até seus colaboradores e apoiadores acreditam que a renúncia seria a saída mais honrosa para ele.

Aécio Neves, que até então vinha se esquivando e conseguido sobreviver a Lava Jato, já não tem mais nem o apoio de seu partido o PSDB, do qual ele é presidente. Na manhã desta quinta-feira (18), a Polícia Federal está fazendo uma devassa nos imóveis de Aécio no Rio de Janeiro, Brasília e Minas Gerais. A irmã do senador, Andréa Neves, foi presa em casa na cidade de Nova Lima, localizada na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), mandou afastar Aécio Neves do mandato de senador.

Publicidade

Existe um pedido de prisão contra o senador que deve ser votado pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Mais uma vez o nome de Eduardo Cunha surge em uma delação e mais uma vez o estrago no alto escalão da política brasileira vai ser grande. Mas o que Eduardo Cunha tem a esconder? Porque o silêncio dele é tão importante? Até quando ele vai se manter calado?

De acordo com o portal de notícias online da revista Isto É, nesta semana o ex-deputado federal (PMDB/RJ) e ex-presidente da Câmara dos Deputados, um dos grandes responsáveis pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, se mostrou bastante apreensivo por causa da delação da JBS.

O silêncio de Cunha custa muito caro

Segundo o jornal O Globo, a JBS pagou cerca de R$ 5 milhões a Eduardo Cunha para que ele não fechasse o acordo de delação premiada na Lava Jato. O ex-deputado chegou a falar com alguns interlocutores que a delação da Odebrecht seria fichinha perante a que seria feira pela JBS. O ex-deputado chegou a afirmar que “se a JBS delatar, será o fim da República”.

Realmente a situação política e econômica do Brasil mais uma vez vai enfrentar uma grande crise e, infelizmente, como sempre, o povo brasileiro é que vai sair ainda mais prejudicado.