O empresário Joesley Batista, dono da empresa JBS, maior processadora de carnes do mundo, em sua delação premiada ao ministro à Procuradoria-Geral da República, disse que o presidente do PSDB, #Aécio Neves de Minas Gerais, teria pedido uma propina no valor de R$ 2 milhões de reais para que pudesse custear a sua defesa na “Operação #Lava Jato”.

A notícia que esta abalando o país, foi divulgada na noite de quarta-feira, 17 de maio, e segundo o colunista Lauro Jardim, do jornal “O Globo”, o empresário teria apresentado inclusive gravações comprovando suas declarações. Nestas gravações, até a voz do presidente Michel Temer aparece, no momento em que ele avaliza um pagamento de propina a Eduardo Cunha para que este ficasse de “bico calado” no decorrer das investigações.

Publicidade
Publicidade

Segundo a publicação, o valor de R$ 2 milhões pedidos por Aécio seriam para o pagamento do advogado criminalista Alberto Zacharias Toron. A conversa teria acontecido no Hotel Unique, em São Paulo, no dia 24 de março deste ano.

Joesley teria perguntado a Aécio como faria a entrega do montante. “Se for você a pegar em mãos, eu irei pessoalmente lhe entregar, mas caso você indique alguém de sua confiança, mando alguém de minha confiança entregar...” propôs o empresário. E então o tucano teria pedido que a quantia fosse entregue a um primo seu, o Frederico Medeiros, que já foi diretor da Cemig, “tem que ser alguém que a gente mata antes de fazer delação, vai ser o Fred, com alguém seu, e você me dará uma ajuda do c......”, disse Aécio em resposta ao empresário.

Quem teria feito a entrega do valor ao primo de Aécio seria Ricardo Saud, que era diretor de Relações Institucionais da JBS, e hoje faz parte dos sete delatores.

Publicidade

A Polícia Federal chegou a fazer uma filmagem de uma das entregas, que foram divididas em quatro partes de R$ 500 mil reais.

Ao ser procurada pela imprensa, a PGR (Procuradoria Geral da Republica), através de sua assessoria de imprensa, disse que não faria declarações, pois os acordos de colaborações ainda não teriam sido homologados.

Já a assessoria de Aécio Neves disse que o político esta tranquilo com relação a seus atos e que a relação que o tucano teria com Joesley seria apenas no âmbito pessoal, não tendo qualquer envolvimento político ou publico. Completou dizendo que o ex-candidato à presidência vai aguardar até que tenha conhecimento de todos os fatos e documentos apresentados para poder dar maiores esclarecimentos. #Corrupção