O ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva está vivendo um grande pesadelo com as acusações do Ministério Público Federal (MPF), na Operação Lava Jato. Denúncias em cima de denúncias vão aos poucos "encurralando" o ex-presidente. Amigos do petista perceberam que tem algo "falho" na defesa de Lula e sugeriram para ele que demita o seu advogado Cristiano Zanin.

Segundo os "chegados" de Lula, Zanin é muito arrogante e ao invés de proteger o ex-presidente, ele está aos pouco "destruindo" a imagem do líder do PT. Para os amigos de Lula, que também são advogados, o desempenho de Zanin foi desastroso. É errado, na opinião deles, o advogado confrontar o juiz federal Sérgio Moro por diversas vezes.

Publicidade
Publicidade

A demissão para os "chegados" do petista é a melhor solução nesse caso e tem que ser em caráter urgente. Para eles, Zanin ao invés de proteger Lula, está fazendo o papel de um auxiliar de acusação.

Irritação

Zanin tem se utilizado de algumas estratégias para tentar irritar o juiz Sérgio Moro durante as audiências. Numa dessas tentativas, no interrogatório do ex-presidente Lula que ocorreu no dia 10 de maio, Zanin chegou a deixar nervoso um outro advogado na sessão, René Dotti. Ele representa a Petrobras e chegou a interromper a fala do advogado do petista, e aos gritos disse que ele estava desrespeitando o juiz.

Diante da estratégia de Zanin de interromper o interrogatório, Dotti falou: "Isso não se faz em uma audiência! Não enfrente o juiz pessoalmente na audiência!", disse o advogado da Petrobras.

Publicidade

O advogado do petista sempre defende o discurso de que Moro está fazendo julgamento político ao citar sobre o processo do Mensalão.

Dotti defendeu o magistrado e afirmou que a personalidade do acusado também é levada em conta pelo juiz e, por isso, ele estaria comentando sobre casos passados, mas que têm uma forte ligação com as investigações de hoje. Zanin ficou indignado com Dotti e pediu para rebater, mas Moro o proibiu e a sessão continuou.

Novo indiciamento

Nesta terça-feira (16), a Polícia Federal (PF) indiciou o ex-presidente por #Corrupção na Operação Zelotes. Foram apontados pagamentos de R$ 6 milhões de propina ao PT. Ele foi indiciado por corrupção passiva pela suposta compra de Medidas Provisórias.

Outros doze investigados também terão que dar explicações, entre eles os ex-ministros Gilberto Carvalho e Erenice Guerra. Todos negam qualquer irregularidade.

No inquérito aberto, foi constatado encontro entre Lula e o lobista Mauro Marcondes, um grande conhecido do petista nos tempos de sindicato. #Lava Jato