Michel Temer completou na última sexta-feira (12) um ano de governo. No dia 12 de maio de 2016, o Senado Federal confirmou por 55 votos a 22 o processo de abertura de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Daquele momento em diante, a petista era afastada do cargo e o peemedebista, como seu vice, iria assumir até que se fosse tomada uma decisão em definitivo.

No dia 31 de agosto do mesmo ano, o Senado decidiu cassar em definitivo Dilma Rousseff e tornar, de maneira oficial, o novo posto de Michel Temer. Em seu discurso de posse, Temer afirmou que tentaria fazer um governo de "salvação nacional" e prometeu diversas melhorias.

Publicidade
Publicidade

A Lupa, da Revista Piauí, relembrou diversos trechos do discurso de Michel Temer e vamos conferir se o peemedebista cumpriu ou não com o que disse.

"Teremos que incentivar, de maneira significativa, as parcerias público-privadas"

Segundo números oficiais da Secretaria do Programa de Parceria e Investimentos, órgão criado pelo próprio governo de Michel Temer, nesse um ano de posso, foram fechadas apenas 41 parcerias entre governo e empresas. Para se ter uma comparação, em 2015, nos 12 meses corridos, foram fechados 51 acordos durante o governo Dilma. É fácil concluir que não houve esse aumento "de maneira significativa" que Temer prometeu.

"Além de modernizar o país, estaremos realizando o maior objetivo do governo: reduzir o desemprego"

O desemprego no governo de Michel Temer só cresce, diferente do que ele havia prometido combater.

Publicidade

No último ano do governo Dilma, 2015, a taxa de desocupação era de 8,5%. Ela vem subindo desde que Temer assumiu o governo. Fechou 2016 com 11,5%. Ao fim do primeiro trimestre deste ano, chegou a casa de 13,7%, recorde histórico. Hoje, segundo números oficial, são mais de 14 milhões de desempregados.

"Não fale em crise, trabalhe"

Uma frase marcou o discurso de posse de Michel Temer. Ao contar uma história de quando, passando por um posto de gasolina, viu um outdoor com a frase "não fale em crise, trabalhe", Temer afirmou estar pensando em espalhar esse dizer por mais ou menos 10 a 20 milhões de outdoors pelo Brasil. Obviamente, isso não aconteceu. Curiosamente, o dito posto apontado como referência para seu governo, situado na cidade de Sorocaba, interior de São Paulo, foi fechado por vender gasolina adulterada. A informação saiu nos principais portais de notícias do país, como G1, Folha de S. Paulo e Estadão.

Já eliminamos vários ministérios da máquina pública

Temer determinou por meio de Medida Provisória que fosse reduzido o número de ministérios de 31 para 26 em maio de 2016.

Publicidade

Porém, meses depois, em fevereiro de 2017, precisando encaixar aliados em cargos públicos, recriou dois ministérios: dos Direitos Humanos e Secretaria Geral da Presidência da República. Atualmente, o governo do peemedebista conta com apenas 3 ministérios a menos do que o governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

"Vamos manter os programas sociais. O Bolsa Família, o Pronatec, o Fies, o Prouni, o Minha Casa Minha Vida, entre outros"

De fato, esses programas sociais citados por Michel Temer em seu discurso de posse foram mantidos, porém, tiveram cortes se comparados ao último ano do governo Dilma Rousseff.

Segundo o Ministério da Educação, a razão para o corte nos programas sociais foi a diminuição da verba orçamentária para a pasta. O MEC afirmou que houve um corte de R$ 6,4 bilhões na pasta para o ano de 2016.

Segundo o site Lupa, baseado pela Lei de Acesso à Informação, em 2016, o programa Minha Casa Minha Vida teve um orçamento de R$ 6,9 bilhões. Se comparando com 2015, o orçamento do mesmo programa tinha sido de R$ 16,5 bilhões. #Dentro da política