Mais uma vez em evidência, o Deputado (e eventual candidato à Presidente da República) #Jair Bolsonaro (PSC) é destaque na mídia.

No início de maio, o jogador do Palmeiras, Felipe Melo, defendeu Bolsonaro, pedindo que Deus abençoasse todas as pessoas que trabalham, que os 'vagabundos' se dessem mal, finalizando com a expressão 'Bolsonaro neles'.

E, claro, como é de praxe, Jair Bolsonaro gravou um vídeo agradecendo o gesto do jogador de futebol e o cumprimentou por não ter sido 'politicamente correto'.

Mas nem todo mundo ficou 'agradecido' pela atitude de Felipe Melo.

O ex-jogador de futebol e comentarista Neto, da Rede Bandeirantes, teceu inúmeros comentários jocosos em face do jogador do Palmeiras e afirmou que este não deveria ter dado nenhum tipo de moral para um 'homofóbico' como Bolsonaro.

Publicidade
Publicidade

Além disso, Neto disse que Felipe Melo não precisava ter feito isso, que foi um comentário totalmente desnecessário por parte do palmeirense.

Só que Bolsonaro não deixou barato e jogou tudo na cara de Neto, inclusive uma foto dele abraçado com o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva [que vai prestar depoimento no caso do triplex do Guarujá, em Curitiba, hoje (10)], onde usa camiseta com a estampa do guerrilheiro, político, escritor e médico cubano-argentino Che Guevara, o qual o Deputado afirmou que exterminava gays.

Confira a seguir, o vídeo onde o parlamentar põe a boca no trombone:

Felipe Melo não gostou e disse que Neto gostava de falar muita besteira sobre ele. Melo finalizou chamando Neto de 'bobão'.

No fim das contas, Bolsonaro afirma que as imagens diziam por si mesmas, em menção à ocasião em que Neto vestia uma camiseta do Che Guevara, que 'exterminava gays'.

Publicidade

Jair Bolsonaro concluiu dizendo que Neto é um 'bobão', um 'bobalhão'.

Che Guevara e os homossexuais

Ainda existe controvérsias sobre o fato de Che Guevara ser homofóbico ou não. Alguns historiadores dizem que não há provas contundentes para que se afirme que o líder cubano realmente tenha assassinado homossexuais.

Já outros, atestam que como Che era médico, naquela época (meados dos anos 60), a homossexualidade era considerada uma patologia (doença). Assim, Che Guevara encaminharia essas pessoas para tratamento, para o que pensava ser uma doença.

Finalmente, o Deputado Federal Jean Willys já havia comentado sobre o assunto anteriormente e alegou compreender sobre os motivos que poderiam levar Che a ter assassinado homossexuais.

Reveja o vídeo de Jean Willys, durante entrevista em uma rádio, onde fala de Che Guevara:

#CheGuevara #Homofobia