Quinta-feira (18), o deputado federal #Jair Bolsonaro concedeu entrevista ao programa Brasil Urgente, na Rede Bandeirantes, que é apresentado por Datena.

Bolsonaro disse ao apresentador que está no 7° mandato como deputado federal, por isso sabe de muita coisa que acontece em Brasília. Veja a entrevista completa abaixo:

Crise Política

Datena enfatizou, primeiramente, a popularidade de Jair Bolsonaro nas redes sociais, onde os adeptos dos ideais do político tem feito diversas campanhas para que ele se candidate à presidência da República nas eleições de 2018. Por isso, Datena decidiu perguntar a opinião de Bolsonaro sobre a crise política.

Publicidade
Publicidade

O apresentador salienta que nem mesmo muitos políticos poderiam prever a crise política que assola o País. Datena critica o presidente Temer, bem como o senador afastado Aécio Neves em face das últimas delações premiadas homologadas pelo Supremo Tribunal Federal e que foram promovidas pelos donos da #JBS, o que "abalou" as estruturas de Brasília no dia de ontem.

Jair Bolsonaro disse, então, que muitas vezes também é surpreendido com notícias de corrupção. Sobre a JBS, afirmou que tem ciência de que a empresa pegou um empréstimo de 8 bilhões de reais no BNDES. E, segundo ele, quem pega empréstimo do BNDES é porque precisa. Porém, o Deputado denuncia que, ao que tudo indica, a JBS possivelmente tenha repassado grande parte desse dinheiro (372 milhões de reais) a partidos políticos, redistribuindo-o para 162 candidatos a cargos políticos no Brasil.

Publicidade

Para o deputado, ao fazer isso, a intenção da JBS se destinou à "facilitar" a aprovação de projetos de lei que visassem o favorecimento da própria empresa. Essa "compra de votos" não é de hoje no âmbito do Parlamento, frisa Bolsonaro.

"Tem que abrir a barriga desse corpo doente para tentar salvá-lo", disse Bolsonaro. O político disse que ainda acredita no Brasil e acha que dá para salvá-lo.

Datena relembrou uma declaração polêmica de Bolsonaro, concedida à Rádio Brasil, em que o político afirma ter recebido um cheque da JBS no valor de R$ 200 mil reais, mas que imediatamente, através de transação bancária, enviou o valor do cheque diretamente para a conta do seu partido. Assim, Datena afirmou que a maior parte dos políticos que recebeu dinheiro da JBS provavelmente não tenha agido como Bolsonaro.

Jair Bolsonaro explica que geralmente é o partido quem recebe "dinheiro desses empresários bandidos" e depois redistribui para todos os candidatos.

Finalmente, sobre Michel Temer, Bolsonaro disse que a Constituição deve ser respeitada e não é porque aconteceu "tudo isso ontem" que os políticos precisam "desbordar a lei". Logo, a "ordem sucessória" prevista pela Constituição deve ser observada nesse momento, caso Temer "caia". #CrisePolítica