O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva prestou depoimento em Curitiba, na última quarta-feira (10), ao juiz Sérgio Moro sobre a ação penal em que é réu que trata sobre o triplex no Guarujá. O encontro foi muito aguardado e posteriormente discutido por muita gente. Capaz de jornais brasileiros e matérias nos principais periódicos internacionais abordaram o encontro entre o líder petista e o juiz de primeira instância.

A Justiça, minutos após o encerramento do depoimento que durou quase cinco horas, já liberou o vídeo completo do encontro. Durante a noite de quarta-feira e toda a quinta-feira, os mais diversos trechos eram cortados, editados e publicados nas redes sociais pelos meios de comunicação, obviamente, sempre escolhendo momentos em que pendia para um ou para outro, dependendo da ideia que se queria passar.

Publicidade
Publicidade

Muitas afirmações, de ambas as partes, foram jogadas ao vento e eram compradas como verdades absolutas por quem segue esse ou aquele ideário, mas será que tudo foi checado e comprovado?

Vamos analisar alguns pontos e checar as informações passadas.

Lula disse: "Eu não tenho nenhuma influência no PT"

A afirmação do ex-presidente pode ser considerada falsa. Lula foi um dos fundadores do PT, em 1980, e até hoje ocupa o cargo de presidente de honra do partido. Foi especulado durante o ano de 2016 a possibilidade de Lula ser eleito presidente nacional do partido, algo que ele rechaçou. O nome mais forte para substituir Rui Falcão à frente do PT é a senadora do Paraná, Gleisi Hoffmann. O nome da senadora é apoiada por Lula.

Lula também disse: "Deixei o governo com 87% de aprovação da população"

O que declarou o ex-presidente pode ser considerado verdade, levando-se em consideração a pesquisa apresentada pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), que em dezembro de 2010 divulgou o resultado dizendo que Lula saia com aprovação de 87%.

Publicidade

Segundo o Datafolha, com pesquisa divulgada no mesmo período, a provação do petista era de 83%.

"Fui reeleito com 62% dos votos", afirmou Lula

A fala por parte do ex-presidente é imprecisa. Segundo dados finais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na eleição presidencial de 2006, o petista foi reeleito com 60,8% dos votos válidos.

Moro, por alguma vezes, saiu do mérito da ação e questionou outros assuntos

O depoimento da última quarta-feira tratava sobre a propriedade do triplex no Guarujá, atribuído a Lula, e uma suposta ajuda ao petista para manter seu acervo presidencial. Os advogados do ex-presidente retrucaram por diversas vezes quando Sérgio Moro fazia questionamentos envolvendo outros assuntos, como o Mensalão, por exemplo. Segundo a defesa de Lula, não cabe ao juiz de primeira instância entrar no mérito de uma ação já julgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

A defesa também retrucou quando o juiz Moro questionava sobre um sitio em Atibaia, o qual Lula também é acusado de ser proprietário.

Publicidade

Os advogados sempre questionavam dizendo que as perguntas não cabiam naquele depoimento. Lula responde a outra ação penal que trata sobre esse sítio.

Defesa de Lula corrigi juiz Moro sobre do que trata a denúncia

A defesa afirmou que "a acusação que consta da denúncia e daquilo que o réu se defende diz respeito a três contratos firmados entres a OAS e a Petrobras e ao apartamento tríplex no Guarujá". Essa exposição dos advogados de Lula foi feita em resposta a uma fala de Sérgio Moro. Durante a abertura do depoimento, o juiz afirmou que, além desses pontos, se tratava sobre uma possível existência de uma organização criminosa que desviava dinheiro da Petrobras. A defesa do ex-presidente estava correta, pois aquela ação específica não tratava sobre o que o juiz argumentava. #Dentro da política