Causou polêmica o decreto emitido pelo presidente Michel #Temer, nesta quarta-feira, ao autorizar o uso do Exército para conter os manifestantes que pediam sua saída nos arredores da Esplanada dos Ministérios, em Brasília. Confira uma análise com a fala de importantes parlamentares, que se posicionaram sobre a decisão presidencial.

Renan Calheiros, senador do PMDB de Alagoas: Se esse governo já não consegue se sustentar, não serão as Forças Armadas a fazê-lo. Não se pode pensar em dar a ideia ao país de que o governo Temer não vai dar certo por causa do Legislativo.

Romero Jucá, senador do PMDB de Roraima: Temer chamou as Forças Armadas para se sustentar? Não.

Publicidade
Publicidade

Chamou porque um bando de marginais estava tocando fogo em ministérios. Nós atuamos dentro da Constituição Federal. Todos vão serão tratados dentro da lei. O presidente agiu dentro da lei, deu segurança aos brasileiros e teve um ato de coragem.

Tasso Jereissati, senador do PSDB do Ceará: Nós viemos de uma geração que teve a adolescência em cima da ditadura militar, então esse tipo de presença como hoje sempre vai nos assustar um pouco. Ao mesmo tempo, recebemos a informação de que os policiais não estavam dando conta do quebra-quebra e dos prédios que incendiavam.

Lasier Martins, senador do PSDB do Rio Grande do Sul: Brasília viveu uma tarde de Venezuela, debaixo de quebra-quebra e nós não podemos discutir formalismos. A Polícia Militar não deu conta de toda essa bagunça e pediu o socorro que está sendo dado.

Publicidade

Concordo que há uma simbologia, lembra a ditadura, mas não é o caso de hoje. Foi para proteger.

Marco Aurélio Mello, ministro do STF: Espero que essa notícia (envio do decreto) não seja verdade.