A grave crise política enfrentada pelo país, a partir de divulgação de trechos do conteúdo "bombástico" do acordo de delação premiada do empresário Joesley Batista, dono da JBS, que controla um dos maiores, senão o maior grupo alimentício do setor de carnes do Brasil, a Friboi, trouxe à tona escândalos políticos que prometem "abalar" o governo do presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP).

Além do envolvimento do presidente em áudios captados pela Polícia Federal, uma das figuras mais destacadas do PSDB, o senador, agora afastado, #Aécio Neves (PMDB-MG), também foi pego em áudios comprometedores, que se encontram sob investigação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Publicidade
Publicidade

O ministro-relator da Operação Lava Jato no STF, Luiz Edson Fachin, afastou do cargo o senador mineiro. Durante entrevista dada à imprensa, por meio do programa Jornal da Manhã, da Rádio Jovem Pan, o prefeito de São Paulo, João Doria, ficou estarrecido com as palavras captadas em áudio de Aécio Neves,consideradas de "baixo calão".

Críticas de João Doria a Aécio Neves

A transcrição do áudio do senador afastado Aécio Neves, em diálogo captado com o empresário Joesley Batista, cujo teor foi liberado por decisão do ministro do Supremo, Edson Fachin, causou espanto ao prefeito de São Paulo, João Doria.

Na conversa, Aécio demonstra incomodação com a Operação #Lava Jato no Congresso Nacional, além de mencionar o caixa dois e o projeto de lei de abuso de autoridade. Doria, ao ouvir o conteúdo do áudio, criticou a linguagem empregada pelo seu colega de partido.

Publicidade

O prefeito foi contundente ao afirmar: "é estarrecedor um senador da República se utilizar desse tipo de linguagem por meio de palavras de baixíssimo calão, o que é lamentável", ressaltou o prefeito. Doria foi ainda mais longe ao afirmar na entrevista, que "quem usa essa linguagem não possui condições mínimas de proceder no equilíbrio de suas funções".

As críticas de João Doria não foram somente dirigidas ao senador afastado e colega de partido. "Lula e Dilma se utilizavam desse tipo de palavrões, de modo costumeiro, como se isso fosse algo que fizesse parte da educação das pessoas. Isso não é só aceitável como surpreendente", afirmou o prefeito paulistano.

Já em relação ao governo do presidente Michel Temer, Doria ponderou que "é necessário que haja uma proteção à economia brasileira".

Veja o vídeo da entrevista do prefeito João Doria

#João Dória