O empresário Eike Batista da Silva foi da euforia ao desespero em poucos dias. Após ter sido liberado pelas mãos do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, que em uma decisão polêmica e muito criticada pela sociedade, concedeu habeas corpus ao ex-bilionário, por considerar que o empresário não apresenta risco para as investigações e, por esse motivo, sua detenção é desnecessária. Eike, após comemorar sua liberdade, tomou um baque ao ter conhecimento do valor da fiança estipulada para que se mantenha em liberdade.

Fernando Martins, advogado de defesa do empresário, se pronunciou e disse que o valor milionário da fiança estabelecido pelo juiz Marcelo Bretas é inconcebível neste momento e está longe das possibilidades de seu cliente arcar com um valor tão alto.

Publicidade
Publicidade

Ressaltando que os bens de Eike encontram-se bloqueados por decisão judicial, o que o impede de movimentar esse valor.

O valor milionário que o advogado Fernando Martins se refere é os R$ 52 milhões que foram estipulados pelo Juiz Bretas como condição para #Eike Batista poder permanecer cumprindo prisão domiciliar, e caso não seja pago no prazo de cinco dias ele deverá ser reconduzido ao presidio de Bangu.

A determinação é uma medida cautelar adicional à decisão do juiz, que mandou o ex-bilionario para cumprir a prisão domiciliar no último sábado (29). Na decisão do juiz ainda consta que Eike deverá cumprir várias medidas cautelares, que incluem a possibilidade da Polícia Federal realizar vistorias ao imóvel sem necessidade de aviso prévio, confisco de seu passaporte, restrição de visitas, sendo autorizado apenas receber seus familiares.

Publicidade

Eike, foi preso em janeiro deste ano, logo após desembarcar no aeroporto internacional Tom Jobim (RJ), sob a acusação de participar do esquema de corrupção, lavagem de dinheiro e pagamento de propina montado durante os dois governos do pemedebista Sérgio Cabral, deixou o presídio de Bangu, na manhã de domingo (30), acompanhado de advogados e da atual esposa Flavia.

O empresário seguiu em um carro particular blindado com escolta da Polícia Federal-PF e foi direto para sua residência, localizada no bairro do Jardim Botânico, um dos metros quadrados mais caros do Rio de Janeiro, e desde então segue cumprindo prisão domiciliar. Porém, hoje foi tomado de surpresa com a decisão do Juiz Marcelo Bretas que condicionou sua permanência no regime de prisão domiciliar ao pagamento de uma fiança de valor milionária. #Lava Jato