O ex-presidente Luís Inácio #Lula da Silva configura como réu em cinco ações penais, mas apenas duas dessas estão sob responsabilidade do juiz Sérgio Moro. Nesta quarta-feira (10), o foco do depoimento é a denúncia que envolve a reforma do tríplex do Guarujá, um apartamento dado ao presidente por viabilizar contratos entre a construtora OAS e a Petrobrás.

Nesta denuncia, Lula é acusado de crime de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por ter supostamente recebido um montante no valor R$ 3,7 milhões em propina da construtora OAS. O valor compensaria a ajuda do ex-presidente em conseguir contratos milionários para a empreiteira ligada à Petrobras e teria sido pago também por meio de um apartamento de luxo no Guarujá.

Publicidade
Publicidade

A defesa de Lula nega que ele seja o proprietário do imóvel no Guarujá e alega que essas acusações não são verdadeiras e, sim, baseadas apenas em convicções. De fato, os procuradores da #Lava Jato não conseguiram provas concretas de que ele tenha praticado algum desses atos ilícitos que lhe foram imputados.

Os advogados de Lula entraram com pedidos na justiça relacionados ao julgamento de hoje, onde pela primeira vez ficará frente a frente com o juiz Sérgio Moro. Todos os pedidos da defesa foram indeferidos.

As outras quatro ações penais em que Lula também configura como réu não serão assuntos do interrogatório de hoje. São elas: um suposto apartamento em São Bernardo dos Campos, relação com Odebrecht, influência milionária e tentativa de comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Publicidade

Dessas quatro ações, uma é da esfera do Juiz Sérgio Moro; as outras três correm em Brasília.

Simpatizantes, correligionários e amigos do ex-presidente Lula estão em Curitiba para acompanhar a audiência na sede do Ministério Publico Federal e prestar solidariedade e apoio ao ex-presidente. A justiça montou um grande esquema de segurança na cidade para impedir possíveis atritos e manifestações.

O próprio juiz Sérgio Moro divulgou um vídeo nas redes sociais pedindo para as pessoas não irem à Curitiba para evitar possíveis transtornos em um momento importante da Operação Lava Jato. #Sergio Moro