Apesar de ter sido absolvida pelos crimes dos quais era acusada, como lavagem de dinheiro e evasão de divisas, a sentença de Sérgio Moro foi que Cláudia Cruz não teve participação nos crimes cometidos pelo seu marido, Eduardo Cunha. A alegação informou que as provas contra a jornalista eram insuficientes.

Apesar de Cláudia possuir uma conta na Suíça de cerca de um milhão de dólares, supostamente um efeito de propina que seu marido recebera por uma operação ilícita junto à Petrobras, e classificada como lavagem de dinheiro, segundo o juiz, não houve provas de que esse saldo era referente à ação criminosa de #Eduardo Cunha.

Publicidade
Publicidade

Também não foi provado que Cláudia é cúmplice do ex-deputado. Porém, o elevado padrão de vida que a jornalista levava, fazendo compras com gastos altíssimos em lojas no exterior e restaurantes na Europa, foi questionado por não ser condizente com o salário de funcionário público de Cunha. No depoimento, Cláudia afirma que o casal sempre teve uma boa situação em termos financeiros, antes de Cunha se tornar deputado, e que não pode haver desconfiança nem crime em relação aos altos gastos dela.

O casal é sócio na empresa C3 Produções Artística e Jornalística, que também está sendo investigada pela Lava Jato.

Apesar de ter sido absolvida, #Cláudia Cruz terá que devolver cerca de 600 mil reais. O Ministério Público deverá recorrer à decisão do juiz Sérgio Moro.

O ex-presidente da Câmara dos Deputados foi condenado pelos crimes de corrupção, evasão fraudulenta de divisas e lavagem de dinheiro.

Publicidade

Sérgio Moro determinou sua prisão por 15 anos e 4 meses, e o ex-parlamentar está cumprindo a pena em Curitiba, numa cela de 12 metros quadrados.

Recentemente, seu nome foi lembrado na gravação telefônica feita por Joesley Batista na qual o presidente Michel Temer teria falado sobre pagar uma propina para que Eduardo Cunha se silencie e não participe da delação premiada.

Eduardo Cunha e Cláudia Cruz se conheceram quando o ex-deputado foi presidente da Telerj na época em que Fernando Collor de Mello era o presidente do Brasil, numa entrevista que a jornalista fizera para a Tv Globo. Como jornalista da emissora, apresentando telejornais, ela chegou a informar nos noticiários que o próprio marido fora despedido da Presidência da Companhia

Estadual de Habitação por acusação de fraudes, no ano 2000. Foi na ocasião em que Cunha convidara a jornalista para trabalhar fazendo gravações de mensagens eletrônicas para a Telerj. O casal tem uma filha, chamada Bárbara. Até a própria filha de Cunha, Daniele, de outro casamento, está sendo investigada por contas na Suíça. #depoimento