Após seguidas derrotas do relator da #Lava Jato, o ministro Edson Fachin, uma nova estratégia foi montada para que a Operação Lava Jato não seja prejudicada novamente. Fachin decidiu encaminhar todos os pedidos de habeas corpus dos presos da Lava Jato para a Primeira Turma do STF. Dessa forma, envolveria onze ministros e a votação poderia ser benéfica para a Lava Jato.

Essa decisão de Fachin foi tomada em conjunto com a presidente do Supremo Cármen Lúcia, na quarta-feira (03) a tarde.

O juiz Sérgio Moro também havia se manifestado sobre a decisão da Segunda Turma, que votou pela liberdade de quatro presos da Operação. Segundo Moro, deixar livre os corruptos traz uma grande insegurança e risco para a sociedade.

Publicidade
Publicidade

O magistrado afirmou que não tem como as autoridades brasileiras vigiarem 100% os atos deles e isso pode ocasionar irregularidades e carreiras criminais. Presos, eles estariam dominados pela justiça.

A Segunda Turma da Corte é composta pelos seguintes ministros: Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Edson Fachin e Celso de Mello. Os dois últimos são os vencidos na votação. Com o voto de Mendes, Lewandowski e Toffoli, foram soltos o ex-ministro José Dirceu, O ex-assessor do PP, João Cláudio Genu e o amigo do ex-presidente Lula, o pecuarista José Carlos Bumlai.

Divergências

Há uma grande divergência entre a Primeira Turma e a Segunda. A jurisprudência da Primeira Turma está a favor da prisão já na primeira instância, ou seja, é respeitado a decisão dos juízes que condenaram os réus da Lava Jato, como Sérgio Moro.

Publicidade

A atitude de Fachin em levar os habeas corpus para a Primeira Turma poderá favorecer em muito a Lava Jato.

Outro detalhe que chamou a atenção de Fachin e Cármen Lúcia é a revolta das pessoas com a soltura de Dirceu. De acordo com uma pesquisa, de cada 10 brasileiros, 7 não concordaram com a decisão da Corte em livrar o ex-ministro. Secretárias dos gabinetes do Tribunal receberam vários telefonemas de pessoas indignadas. Houve, até xingamentos.

Tática

Essa tática de mandar para a Primeira Turma os processos ligados à Lava Jato já estava sendo utilizada pelo ministro falecido Teori Zavascki. Os casos do ex-deputado Eduardo Cunha e de um pedido do ex-presidente Lula para tirar os processos dele das mãos de Moro foram julgados dessa forma e a Lava Jato sempre obteve vantagens.

Uma coisa é certa, uma grande "confusão" está ocorrendo dentro do STF. #CármenLúcia #EdsonFachin