Francisco Zavascki, filho do ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, usou as redes sociais para desabafar sobre o #Acidente de avião que matou o seu pai e ligou a tragédia a possíveis ações para barrar a #Lava Jato. Ele postou em seu perfil do Facebook um texto em tom de indignação logo após saber das delações premiadas do dono da JBS, que abalou a situação #Política do país.

O jornal O GLOBO publicou trechos das gravações do dono da JBS, Joesley Batista, em que o presidente Michel Temer supostamente aparece dando o aval para o pagamento de propina para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha. O senador Aécio Neves também foi gravado pedido dinheiro de propina ao dono da JBS, no valor de R$ 2 milhões.

Publicidade
Publicidade

Francisco Zavascki, que também pediu o impeachment do presidente Michel Temer, retirou o post de sua página do Facebook depois da publicação.

Segundo o texto publicado por Zavascki, a Lava Jato, operação a qual seu pai era o relator, estava cada vez mais perto dos líderes do PMDB e que seus membros fariam de tudo para barrar as investigações a qualquer custo, como promover articulações para derrubar a ex-presidente Dilma e colocar Michel Temer no poder.

Zavascki disse que seu pai "sabia o quanto cada um deles estava afundado no mar de lama da corrupção" e questionou: "Do que eles são capazes? Será que só pagar pelo silêncio alheio? Ou será que derrubar um avião também está valendo?".

Francisco Zavascki revelou ainda que o ministro Teori estava muito aflito com o ano de 2017 e lembrou quando recebeu no velório de seu pai a comitiva de políticos liderada pelo presidente Michel Temer, a qual ele chamou de "cortejo dos delatados".

Publicidade

Entenda sobre o acidente que matou o Ministro do STF Teori Zavascki

O ministro Teori Zavascki morreu em janeiro deste ano, junto com outras quatro pessoas, após a queda do avião em que estava. A tragédia causou grande comoção no país, já que Teori era um personagem importante na Operação Lava-Jato.

O avião era do modelo Beechcraft C90GT e decolou do aeroporto Campo de Marte, em São Paulo rumo ao aeroporto de Paraty, no Rio de Janeiro. Chovia muito e a aeronave caiu a dois quilômetros da cabeceira da pista do aeroporto de destino, que não é equipado para pousos por meio de instrumentos.

A aeronave, que era de propriedade do Hotel Emiliano, tinha capacidade para 8 passageiros. As investigações sobre o acidente ocorrem sob sigilo da justiça.