Nesta terça (23) ,a Justiça do Distrito Federal determinou que fossem bloqueados cerca de R$26 milhões de reais dos políticos José Roberto Arruda e Agnelo Queiroz, e também do ex-vice-governador Tadeu Felippelli, que até pouco tempo exercia o cargo de assessor do atual presidente da república Michel Temer.

Foi expedido para os três um mandado de prisão temporário, por suposto envolvimento em um grande esquema de #Corrupção que colocou valores supostamente maior do que os que seriam necessários para as obras que foram feitas no estádio Nacional Mane Garrincha, em Brasília, e, aparentemente, tudo isso foi feito em troca de propinas.

Publicidade
Publicidade

No caso de Roberto Arruda foram bloqueados cerca de R$10 milhões em bens, o mesmo foi decretado para Queiroz. Já no caso de Tadeu dever ser até de R$6 milhões os bens que serão bloqueados, ainda segundo a decisão. Ainda tiveram sete pessoas que também tiveram seus bens bloqueados pela Justiça do Distrito Federal que também são citados em um pedido expedido pelo Ministério Público Federal. O montante de bens bloqueados pela justiça chega a um valor de cinquenta milhões de reais.

Por volta das 11:55 desta terça-feira (23), foi anunciado pelos responsáveis da área de imprensa da Presidência da República que Tadeu Felippelli já não era assessor de Michel Temer, atual presidente da República. Tadeu iniciou no cargo de assessor de Temer no dia vinte e dois de setembro de 2016, sendo assim permanecendo somente oito meses neste cargo.

Publicidade

A Via Engenharia e Andrade Gutierrez, que participaram de todo processo de licitação, tiveram seus bens bloqueados nesta terça (23). A determinação veio da 10ª Vara Federal, e o montante chega aos valores de aproximadamente cem milhões de reais.

Veja mais:

Segundo apurações apontam vestígios de que Rosso também participou e recebeu propinas referentes as reformas no estádio Mané Garrincha.

A operação Panatenaico que efetuou a prisão de alguns políticos que supostamente participaram do esquema de propinas na reforma do Mané Garrincha apontam que Rogério Rosso, atualmente deputado federal, veio a receber dinheiro que foram desviados dessas obras do estádio. O deputado Rogério não foi alvo da operação que foi efetuada na manhã desta terça (23).

No ano de 2010, Rosso foi governador do Distrito Federal durante oito meses após o antigo governador renunciar por causa das investigações da Operação Caixa de Pandora.

* Este artigo contou com informações do Portal G1. #Brasil #Polícia Federal